Estupro é para os homens uma arma política de opressão e controle social sobre todas as mulheres.


Por marcos romão

Não ouso falar das mulheres, quando reflito sobre o grau de perversidade,  que nós homens brasileiros atingimos em 2016.

Nós homens estupramos no Brasil com nossa ação ou silêncio em 2014,  47.646 mulheres, um pouco menos que e em 2013, quando 50.320 mulheres, incluindo crianças e adolescentes, foram atingidas por esta violência contra o corpo e a alma das vítimas provocadas por nós homens.

estupros no brasil

Gráfico do G1

Somente nos primeiros 4 meses de 2016, nós homens fomos responsáveis pelo estupro de 1690 mulheres em nosso estado do Rio de Janeiro, o que dá uma média de 13 estupros por dia, equivalente a mais de um atentado terrorista sexual contra mulheres, a cada menos que 2 horas.***Fonte G1

O estupro é assim um instrumento político de guerra contra as mulheres, que ultrapassa as fronteiras entre o público e o privado.

Pais, tios avós, policiais, intelectuais, pobres, ricos, jornalistas, senadores, porteiros, prefeitos, traficantes, motoristas, líderes religiosos e tudo mais que qualifique um homem, eu incluo no mesmo saco, somos os responsáveis pela ação política criminal, que através da violência sexual, delimitam os espaços e comportamentos que as mulheres podem viver e exercer.
Saiu da linha traçada por nós os homens,  a punição para as mulheres é primeiro o estupro, depois o apedrejamento e assassinato de seu caráter.

É uma prisão mental e de poder masculino tão terrível, que o homem brasileiro não consegue nem pensar no grau de responsabilidade que tem, por sua forma de pensar, de agir, ou silenciar diante deste quadro fantasmagórico, em que o número de mulheres estupradas anualmente, só encontra comparação com o número de jovens assassinados no país todos os anos.

Diante da questão grave do estupro, o máximo que um homem consegue dizer para um outro homem é: ” E se fosse com sua mãe, ou irmã?”. Ou para justificar sua meia indignação contra o estupro, grita a velha cantilena: ” Tem que ser preso para fazer papel de mocinha na cadeia”.

Assim para o homem brasileiro o estupro, tem que ser resolvido por outro estupro, em que o estuprador é punido, aos ser estuprado coletivamente na cela de uma masmorra.

O falo, o falso poder do caralho, não é colocado em dúvida, continua a ser usado como instrumento de guerra, no crime e na punição do crime.

Nós homens temos todos a cara e a cabeça de pau de promotores e carrascos de botequins. E seguimos a vidinha, sem nos questionarmos, que nós homens somos os produtores e responsáveis por toda esta violência contra as mulheres.

Nós homens seguimos com o comportamento e modo de agir, que está bem resumido na postura do delegado, Dr. Alessandro Thiers, que ao ouvir a jovem adolescente vítima de um estupro coletivo, segundo a advogada Eloisa Samy Santiago, perguntou à sua mandante: “Você tem por hábito participar de sexo em grupo?” . Ou pior, “Você foi cooptada pelo tráfico para trabalhar com eles?”

Agora eu entendo quando as mulheres falam de uma cultura de estupro na história de nosso país.  Agora eu entendo  os motivos pelos quais nós homens torturamos e inventamos os esquadrões da morte.

Agora entendo porque tratamos todas as mulheres, sejam mulheres das mais simples até as mulheres que ocupem os mais altos postos da nação, parentes ou não, como animais soltos a serem caçadas em nossas florestas mentais ou como santas em pedestais, que serão protegidas pelo nosso falo político até o próximo estupro.

O estupro funciona assim, em todas as suas formas, como um poderoso instrumento político, para manter 105,5 milhões de mulheres controladas e afastadas do poder e dos espaços exclusivos, reservados para 98,5 milhões de homens.

Finalmente agora compreendo que nós falamos das mulheres, mas não falamos de nós homens. Precisamos nos libertar desta prisão que faz a todos nós homens perversos, por ação ou omissão.

O fato de acontecer um estupro em uma favela, atua como controle político e comportamental de todas as mulheres da favela em que isto aconteça, de forma mais eficiente que ocupações por forças armadas, polícias ou milícias.

O segundo estupro que foi o estupro sexual espalhado através da internet, atinge, ameaça, controla e define até onde podem ir e andar em nossa sociedade, 105, 5 milhões de mulheres brasileiras.

Assumamos a nossa responsabilidade de homens e quebremos este espiral de violência.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s