Todo mundo tem seu dia de Gay, até os Gays


Daqui a pouco Hamburgo vai parar e eu vou estar lá. Christopher Street Day, o dia do Orgulho Gay.

Viado com I, pandeleiro, mariquinhas eram os nomes que nos xigávamos quando crianças em minha rua e na minha escola. Ser maricas era a pior coisa do mundo, pior que isto só ser chamado de mulherzinha.

Êta mundo danado que era, quantos preconceitos aprendíamos respirando e nem sabíamos.

A parada Day não é uma brincadeira e mesmo coisa séria poder ser divertida e dar prazer.

Hoje é um dia aqui em Hamburgo em que milhares festejam o prazer de serem seres humanos.

Afinal mesmo em um mundo em que as discriminações, fundamentalismos e hipocrisias moralistas parecem estar mandando. Todo mundo tem direito, a pelo menos ter um dia, em que possa sair às ruas dançando e carregando no peito prá todos verem, o seu coração do ser-humano. marcos romão

Este slideshow necessita de JavaScript.

Aconteceu a revolta dos Búzios: Olodum sai prás ruas


Agosto de 2011 -A Revolta dos Búzios  213 anos de uma história da Igualdade Prometida no Brasil.

Dia 06 Banda Olodum na Chopada de Medicina em Salvador.

Dia 12 – Passeata em homenagem aos Heróis do Brasil. João de Deus, Lucas Dantas, Manuel Faustino, Luiz Gonzaga das Virgens. 15 h. Piedade.

Dia 14 – Ensaio especial em homenagem aos Pais da Pátria – Largo Pedro Arcanjo – Pelourinho.

De 12 a 28 de agosto de 2011. Uma reflexão da promessa de igualdade no Brasil.

Dia 28 – Olodum bairro a bairro – Dique do Tororó.

Video conferencia sobre a Revolta dos Búzios e a igualdade no Brasil. Olodum & UNEB.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Visita da Radio Mamaterra ao Olodum.

Brasileiros em Hamburgo protestam contra escola de samba que excluiria brasileiros


Recebemos este email de participantes da escola de Samba Unidos de Hamburgo e colocamos no ar;

A rádio mamaterra acompanha há 11 anos as atividades musicais da cidade de Hamburgo. Percebemos que a participação do “SOM” brasileiro é cada vez maior. Notamos também que a participação de brasileiros é cada vez mais diminuta. Quais as são as causas? Vamos seguir este debate que no Facebook já está rolando.

A seguir o manifesto do pessoal:

Conscientização e protesto pacífico hoje no Planten un blomen. Virem as costas pro palco no show da Unidos de Hamburgo.

Conscientização
Esses três primeiros shows valem realmente serem vistos

* MARACATU NATION STERN DER ELBE
* TRIO CAFÉ BRASIL & FREUDEN
* MIRIAM DA SILVA ( TANZ)

Sobre a assim chamada EdS Unidos de Hamburgo eu tenho a dizer, que esse é um grupo que existe desde 2004 e que sistematicamente vem excluindo os seus integrantes brasileiros.
Sendo que hoje já não há mais nenhum sócio brasileiro no grupo.

Caso vocês vejam algum de nossos compatriotas no show tocando ou cantando pra eles podem estar seguros que sao hóspedes de outras cidades e que esses nao estao a par do que acontece dentro do grupo.

Nós, brasileiros no grupo (tirando as baianas essas eram quase 40) éramos em torno de 30 (músicos e passistas).

Eu fui o último a sair, pois tentei de tudo pra intermediar por ser o mais integrado na sociedade pelos conhecimentos de idioma e cultura.

Mas quando finalmente percebi que as intenções da direção só era de nos tolerar, até que o conhecimento tivesse sido absorvido em áreas diferentes (dança, instrumentos, canto, etc…) resolvi sair.

Como protesto deveríamos no 4° Encontro do Planten un Blomen, virar as costas pro palco como protesto por essa política de exclusão.

Obrigado pela atenção.

Saudacoes,

Amiru Sabiá

Assistam a MamaterraTV

“Terrakota” pede desculpas à Hamburgo e agradece a compreensão da “Gafieira Universal.


2 dia antes do show em Hamburgo, a produção da Banda portuguesa “Terrakota” cancelou sua turnê que incluia Oslo, Berlim e Hamburgo. O produtor geral da pequena turnê, que não é de Hamburgo, teve problemas na organizção.

O Show de Hamburgo faria parte do lançamento do novo projeto da produtora “Gafieira Universal” desta cidade: A apresentação sempre de duas bandas, uma do Brasil e outra da Europa em um congraçamento transatlântico.

Natiruts foi a banda que chegou do Brasil especialmente para o show de abertura da temporada. A escolha da Banda Terrakota para ser a parte Européias havia sido intencional.

Hamburgo é a cidade do norte da Europa onde o uso da língua portuguesa possui uma tradição de 300 anos, que vem desde o tempo em que os mercadores de especiarias, da “India” chamada Brasil, circulavam pelo porto hanseático .

A migração de brasileiros para Hamburgo nas últimas décadas, só reforçou este quadro. Nas ruas da cidade no verão, só dá alemão tocando música brasileira e fazendo caipirinha.

“Terrakota” não pode vir.  Foi pena, mas a noite foi um sucesso, Natiruts foi recebido pela prata da casa,  a banda “Rapaziada do Samba”,com músicos brasileiros de Hamburgo, que não deixaram por menos e arrebentaram da boca do balão, botando o público para dançar e sentir-se como no Rio com 40º.

Recebemos da produtora “Gafieira Universal” está notícia via Facebook que reproduzimos, com o pedido de desculpas do Junior que faz parte da “Terrakota”:

Para o jornalista Ras Adauto, cultura de massas não é a produzida pela Globo


Ao visitar o Olodum em 1988, Ras Adauto, jornalista da Mamapress, radicado em Berlim, já reconhecia a criatividade e o poder das massas na criação e produção das culturas.
Vejam o depoimento recuperado pela Cultne do Rio de Janeiro.

Sambagruppe “Virada” feiert 25er Geburtstag am Elbstrand mit 300 Sambistas.


Este slideshow necessita de JavaScript.

Alemães dão banho de samba no Rio Elba 170 bateristas festejam 25 anos da “VIRADA”



O grupo de samba “Virada” festeja 25 anos. Tocam como mestres da vida.
Mais de 20 grupos de samba de hamburgo e outras cidades vão festejar hoje 25 de junho de 2011, na praia do Rio Elba na altura de Olvegonne. Durma-se com um barulho maravilhos destes. Hamburgo vai virar Rio de Janeiro sem balas, só samba e amor”

Es ist soweit, unsere Sambagruppe Virada (www.virada.de) feiert 25. Jahre bestehen und aus diesem Grunde gibt es am nächsten Wochenende eine Megabateria am Elbstrand von Övelgönne (wenn es nicht gerade Bindfäden rechnet). Es haben sich bis zu 170 Sambistas aus allen Teilen Hamburg und dem Umland angemeldet uns ein Ständchen zu bringen.