How Argentina ‘Eliminated’ Africans From Its History And Conscience


By Palash Ghosh | June 04 2013 5:48 AM

Tens of millions of black Africans were forcibly removed from their homelands from the 16th century to the 19th century to toil on the plantations and farms of the New World. This so-called “Middle Passage” accounted for one of the greatest forced migrations of people in human history, as well as one of the greatest tragedies the world has ever witnessed.

Millions of these helpless Africans washed ashore in Brazil — indeed, in the present-day, roughly one-half of the Brazilian population trace their lineage directly to Africa. African culture has imbued Brazil permanently and profoundly, in terms of music, dance, food and in many other tangible ways.

But what about Brazil’s neighbor, Argentina? Hundreds of thousands of Africans were brought there as well – yet, the black presence in Argentina has virtually vanished from the country’s records and consciousness.

According to historical accounts, Africans first arrived in Argentina in the late 16th century in the region now called the Rio de la Plata, which includes Buenos Aires, primarily to work in agriculture and as domestic servants. By the late 18th century and early 19th century, black Africans were numerous in parts of Argentina, accounting for up to half the population in some provinces, including Santiago del Estero, Catamarca, Salta and Córdoba.

Statue of  "The Slave", by Francisco Cafferata in Buenos Aires, Argentina
http://usslave.blogspot.com
Statue of “The Slave”, by Francisco Cafferata in Buenos Aires, Argentina

In Buenos Aires, neighborhoods like Monserrat and San Telmo housed many black slaves, some of whom were engaged in craft-making for their masters. Indeed, blacks accounted for an estimated one-third of the city’s population, according to surveys taken in the early  1800s.

Slavery was officially abolished in 1813, but the practice remained in place until about 1853. Ironically, at about this time, the black population of Argentina began to plunge.

Historians generally attribute two major factors to this sudden “mass disappearance” of black Africans from the country – the deadly war against Paraguay from 1865-1870 (in which thousands of blacks fought on the frontlines for the Argentine military) as well as various other wars; and the onset of yellow fever in Buenos Aires in 1871.

The heavy casualties suffered by black Argentines in military combat created a huge gender gap among the African population – a circumstance that appears to have led black women to mate with whites, further diluting the black population. Many other black Argentines fled to neighboring Brazil and Uruguay, which were viewed as somewhat more hospitable to them.

Others claim something more nefarious at work.

It has been alleged that the president of Argentina from 1868 to 1874, Domingo Faustino Sarmiento, sought to wipe out blacks from the country in a policy of covert genocide through extremely repressive policies (including possibly the forced recruitment of Africans into the army and by forcing blacks to remain in neighborhoods where disease would decimate them in the absence of adequate health care).

Tellingly, Sarmiento wrote in his diary in 1848: “In the United States… 4 million are black, and within 20 years will be 8 [million]…. What is [to be] done with such blacks, hated by the white race? Slavery is a parasite that the vegetation of English colonization has left attached to leafy tree of freedom.”

By 1895, there were reportedly so few blacks left in Argentina that the government did not even bother registering African-descended people in the national census.

The CIA World Factbook currently notes that Argentina is 97 percent white (primarily comprising people descended from Spanish and Italian immigrants), thereby making it the “whitest” nation in Latin America.

But blacks did not really vanish from Argentina – despite attempts by the government to eliminate them (partially by encouraging large-scale immigration in the late 19th and 20th century from Europe and the Near East). Rather, they remain a hidden and forgotten part of Argentine society.

Hisham Aidi, a lecturer at Columbia University’s School of International and Public Affairs, wrote on Planete Afrique that in the 1950s, when the black American entertainer Josephine Baker arrived in Argentina, she asked the mixed-race minister of public health, Ramon Carilio: “Where are the Negroes?” In response, Carilio joked: “There are only two — you and I.”

As in virtually all Latin American societies where blacks mixed with whites and with local Indians, the question of race is extremely complex and contentious.

“People of mixed ancestry are often not considered ‘black’ in Argentina, historically, because having black ancestry was not considered proper,” said Alejandro Frigerio, an anthropologist at the Universidad Catolica de Buenos Aires, according to Planete Afrique.

“Today the term ‘negro’ is used loosely on anyone with slightly darker skin, but they can be descendants of indigenous Indians [or] Middle Eastern immigrants.”

AfricaVive, a black empowerment group founded in Buenos Aires in the late 1990s, claimed that there are 1 million Argentines of black African descent in the country (out of a total population of about 41 million). A report in the Washington Post even suggested that 10 percent of Buenos Aires’ population may have African blood (even if they are classified as “whites” by the census).

“People for years have accepted the idea that there are no black people in Argentina,” Miriam Gomes, a professor of literature at the University of Buenos Aires, who is part black herself, told the Post.

“Even the schoolbooks here accepted this as a fact. But where did that leave me?”

She also explained that almost no one in Argentina with black blood in their veins will admit to it.

“Without a doubt, racial prejudice is great in this society, and people want to believe that they are white,” she said. “Here, if someone has one drop of white blood, they call themselves white.”

Gomes also told the San Francisco Chronicle that after many decades of white immigration into Argentina, people with African blood have been able to blend in and conceal their origins.

“Argentina’s history books have been partly responsible for misinformation regarding Africans in Argentine society,” she said. “Argentines say there are no blacks here. If you’re looking for traditional African people with very black skin, you won’t find it. African people in Argentina are of mixed heritage.”

Ironically, Argentina’s most famous cultural gift to the world – the tango – came from the African influence.

“The first paintings of people dancing the tango are of people of African descent,” Gomes added.

On a broader scale, the “elimination” of blacks from the country’s history and consciousness reflected the long-cherished desire of successive Argentine governments to imagine the country as an “all-white” extension of Western Europe in Latin America.

“There is a silence about the participation of Afro-Argentines in the history and building of Argentina, a silence about the enslavement and poverty,” said Paula Brufman, an Argentine law student and researcher, according to Planete Afrique.

“The denial and disdain for the Afro community shows the racism of an elite that sees Africans as undeveloped and uncivilized.”

http://www.ibtimes.com/blackout-how-argentina-eliminated-africans-its-history-conscience-1289381#

Anúncios

Na boca do dia da República Prefeitura do Rio congela caderneta de Poupança do Quilombo do Sacopã


Eva Manuela da Cruz

+++Eva Manuela da Cruz

Mãe Original do Quilombo do Sacopã, está muito preocupada com seus descendentes quilombolas aqui nesta terra sem paz:

Depois da grande vitória na Câmara de Veradores em agosto de 2012, quando a maioria dos vereadores derrubarou o VETO do prefeito Eduardo Pais ao projeto-lei dos vereadores Reimont(PT) e Eliomar Coelh(PSOL), que tornou a áre do Quilombo do Sacopã, em ZONA ESPECIAL DE INTERESSE CULTURAL DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO,  a vida das famílias do Quilombo do Sacopã se transformou em um verdadeiro inferno.

Lembrando o malfadado ex-presidente Collor de Mello, CONGELARAM A CADERNETA DE POUPANÇA DO HERDEIRO DIRETO E FILHO DE EVA MANUELA DA CRUZ, A MÃE ORIGINAL DO QUILOMBO DO SACOPÃ E QUE A 40 ANOS INICIOU A CRUZADA DE RESISTÊNCIA PARA QUE SEUS DESCENDENTES TIVESSEM DIREITO À TERRAS DE SEUS ANTEPASSADOS.

Em pleno feriado republicano, sem dinheiro no bolso, família Sacopã se pergunta para quem apelar?

O  CONGELAMENTO DAS MAGRAS POUPANÇAS DE LUIZ SACOPÃ FOI REALIZADO SEM NENHUM AVISO OU NOTIFIÇÃO POSTERIOR  E NAS VÉSPERAS DO FERIADO DO DIA DA REPÚBLICA  NO MÊS DA CONSCIÊNCIA NEGRA  E SÓ NA PRÓXIMA QUARTA-FEIRA O FORUM PARA EMBARGOS E RECURSOS ESTARÁ FUNCIONANDO.

O bloqueio da conta de poupança foi ordenado pela juiza Cristiana Aparecida de Souza Santos da 12 Vara de Fazenda Pública da Comarca da Capital a pedido do Município do Rio de Janeiro.

Fotos e notícia:marcos romao

Lançado em São João de Meriti, o projeto de construção do “PLANO ESTADUAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL


Foi dado ontem a pedra de toque na discussão para a elaboração de plano para um Estado do Rio sem racismo. A meta que não é pequena, será fomentar a discussão e implantação do “Plano Estadual para Promoção da Igualdade Racial nos municípios do Estado do Rio de Janeiro”. Seu público alvo serão os Gestores Municipais; Conselheiros de Direitos do Negro Municipais e afins; Vereadores; Lideranças dos Quilombolas e Organizações Não Governamentais.
As discussões planejadas para acontecerem de janeiro a maio de 2012,  serão  coordenadas  pela Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos, através da superintendência de Promoção da Igualdade Racial – SUPIR.
Segundo o superintendente da SUPIR, o advogado Marcelo Dias, a escolha de São João de Meriti foi justificada, pois segundo as sua palavras “São João de Meriti” é o município exemplo no Brasil na aplicação das leis que tornam obrigatório nos estabelecimentos de ensino fundamental e de ensino médio, públicos e privados o estudo da história e cultura afro-brasileira e indígena.”
Ainda segundo o superintendente, “estas discussões regionais que irão acontecer, tem como objetivo cumprir o decreto do governo estadula de  n°43.297 de 16 de novembro de 2011 que “INSTITUI A CÂMARA TÉCNICA PARA REVISÃO E IMPLANTAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE PROMOÇÃO DE IGUALDADE RACIAL”.
Neste decreto que foi publicado no Diário Oficial do dia 17 de novembro de 2011 foi formada uma Câmara Técnica com 28 membros representantes da Sociedade Civil, Universidades Públicas,  Assembléia Legislativa e de órgãos da administração pública estadual. Estes membros formarão sub comissões temáticas que delinearão, consultando a legislação aprovada e adotada bem como o referencial discutido e aprovado nas Conferencias Estaduais da Promoção da Igualdade Racial, os principais eixos temáticos que constituirão o Plano Estadual de Promoção de Igualdade Racial.
Terra que o Almirante Negro, João Cândido, escolheu para viver e criar seus filhos e netos, São João de Meriti é o primeiro município brasileiro a ensinar história dos negros e dos indígenas em todas as suas escolas municipais. Mamapress esteve lá e confirma!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Imersão atípica no Rio de Janeiro: Prédio desaba e ninguém sabe porque.


Mamapress tem amigos que vivem na área, Vane Carvalho, nos passou via Facebook, um relato de Lia Vieira, empresária que estava oa lado e nos relata o que sentiu no momento. Vamos publicar relatos de quem estava perto.

Olá, queridos amigos, amigas, parceiros, clientes e nossa gente unida

Quero de coração agradecer as manifestações de solidariedade, consultas, pedidos de informações vindas de todo o Estado do Rio e do Brasil, em relação a situação da ASHANTI VIAGENS, que como tod@s sabem fica apenas a uma quadra do local da tragédia no Centro do Rio de Janeiro.
Tenho a informar que a situação é muito pior do que a TV e a Mídia podem mostrar.
Persistem o cheiro de fumaça, barulho de sirenes de bombeiros, PM, defesa civil e dos helicópteros
que sobrevoam a área. O caos no trânsito.O aglomerado de famílias e curiosos também é muito grande.
Como sabem, sou workaholic e em função do Fórum Social Mundial – Porto Alegre , ainda estava trabalhando.
Senti o tremor e escutei o estrondo – mas nada sofri.Ufa !
Fico irmanada na dor dos que ainda não tem notícias dos seus familiares e aos dos que já sabem dos óbitos.
Fico irmanada aos empresários que perderam todo patrimônio construído ao longo de décadas e que viram tudo desaparecer na fumaça.
Como não temos gabinete de crise – as notícias desencontradas , não dão conta do que pode ter acontecido.
Em todas as religiões, crenças e credos – peçam pelo RIO DE JANEIRO que tem sido palco de tantas tragédias inexplicáveis.
Próximos também – Grupo de Estudos Amilcar Cabral – Paulo Roberto , em frente, e Instituto Iara e Humberto Adami- Advogados – ao lado, com notícias de estarem bem.
Fiquem em PAZ – 2012 está só começando

LIA VIEIRA – ASPECAB – Associação de Pesquisa da Cultura Afro-brasileira – NITERÓI – desde 1988
ASHANTI VIAGENS – www. ashantiviagens.com.br
Telefone – 21 93413603
Date: Thu, 26 Jan 2012 07:49:27 -0200
From: ysun-oke@bol.com.br
To: msantiago28@hotmail.com; aspecab@hotmail.com
Subject: Situação no Rio

Bom dia Lia e Marileia, como ainda não consigo me localizar no Rio ficamos preocupadas com o desabamento ocorrido ontem, é perto da Agência da Lia, como ela está , por favor nos mandem alguma notíica.
Beijos

Record à serviço da Igreja Universal obrigada a conceder direito de resposta por demonizar as religiões afros.


Deu no Portal Geledés: “Em decisão inédita do Ministério Público Federal, entidades afro-brasileiras foram autorizadas a produzir um vídeo de direito de resposta coletivo a uma reportagem da TV Record. O programa foi gravado e tornou-se público no final de 2011, mas não pode ser exibido, pois a emissora recorreu da ação e conseguiu impedimento momentâneo.

Conforme informa o vídeo, o programa é um “direito de resposta concedido pela Justiça Federal ao Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT), ao Instituto Nacional da Tradição e Cultura Afro-Brasileira (INTECAB) e ao Ministério Público Federal, autores da ação contra o enfoque negativo e discriminatório das religiões afro-brasileiras”.

A gravação conta com a participação de representantes de entidades ligadas às religiões afro-brasileiras e profissionais de comunicação, entre eles Iran Castelo Branco, do movimento Mídia Pela Paz, Gabriel Priolli, jornalista e produtor independente, e Laurindo Leal Filho, professor da ECA-USP.

Daniel Teixeira, coordenador do CEERT, ressalta que o caso ainda está em juízo, logo são poucas as informações que podem ser dadas a respeito. Contatada, a Record ainda não se pronunciou sobre o assunto.

Protestos na internet – No final de dezembro, a Record também virou alvo de protestos de grupos católicos que acusaram a emissora de perseguição. Ativistas indignados com reportagens exibidas nos jornalísticos da casa consideraram que a emissora de Edir Macedo realiza “ataques ao catolicismo”.

Um dos movimentos se intitulou de “Brasil Sem TV Record” e convocaram os internautas via redes sociais a boicotarem a Record no dia 16 de dezembro, evento que, segundo a emissora, “não teve êxito”. Outro grupo criou a hashtag #jornalismodeterceira e pediu para que os católicos não assistam mais à Record.”
Direito de Resposta: Diálogo das religiões – O vídeo das religiões afro – Direito de resposta contra ataques sofridos pela TV Record. Não se pode usar a TV, concessão pública, para incentivar o preconceito religioso. A Record, a serviço da Universal, viu-se obrigada pela justiça a apresentar o seguinte programa como direito de resposta por suas afirmações difamatórias contra as religiões afro-brasileiras. As virtudes de uma pessoas não tem nenhuma relação com suas crenças. Acreditar em Deus não significa ser santo, e não-acreditar em Deus não significa ser um demônio.