INDIGNAÇÃO, DESABAFO E ÚLTIMO ADEUS A ANTONIO POMPÊO.


Antonio Pompeo- foto Januário Garcia

Antônio Pompêo === Foto Januário Garcia

Por Asfilófio de Oliveira Filho
Fotografias: Jorge Ferreira e Januário Garcia
Quando não tínhamos as redes sociais não deixávamos de nos reunir a trabalho, nos encontros sociais e muito menos em família. A ausência do telefone celular, do facebook, do wattasap, do twitter não era impedimento para nos encontrarmos e louvarmos um ente querido, que acabará de nos deixar em direção ao plano superior. E assim, se foi o nosso irmão Antonio Pompeo numa época de tanta informação e tecnologia.

Ao chegar na missa de sétimo dia no último dia realizada na Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos me deparei com a pequena audiência dos leais amigos que foram prestar homenagem a aquele que de certa forma nos influenciou dividindo sua obra com todos nós negros e negras conscientes, bem como amigos e simpatizantes não negros.

Minha indignação é tão grande quanto este universo tecnológico que consegue divulgar e ao mesmo tempo ignorar os chamados considerados relevantes. O último adeus ao ator Antonio Pompeo não contou com os requintes da midia tradicional, salvo o reconhecimento da chamada negra mídia que usa este universo tecnológico da melhor maneira possível, garantindo o compromisso com a nossa cultura.

Como pode estar tão vazia esta missa de sétimo dia?
Estamos falando de Antonio Pompeo, o ator negro, militante e artista plástico que contribui muito para que a geração atual possa hoje se beneficiar e encontrar forças para o combate a desigualdade racial.

O ditado “Rei Morto, Rei Posto ” me veio a mente. E agora, quem entra no lugar de Guerreiros e Guerreiras de Luz como Antonio Pompeo, Joel Rufino, Azoilda Loretto da Trindade e tanto outros que estão partindo para o andar de cima. Sabemos e ignoramos que os lugares dos Guerreiros sem Luz são ocupados antes mesmo do corpo esfriar no mármore do Instituto Médico Legal.

Amigos, não deixem que essa “frieza virtual” tirem o brilho dos nossos olhos e mais ainda a energia que emanamos. Fiquem atentos e não se tornem escravos desse universo.

Um Salve a todos os Guerreiros de Luz e que Deus nos abençoe no cumprimento de nossas missões aqui neste planeta.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Corpo de Antônio Pompêo será sepultado em Rio Preto, SP.


Nota da Mamapress

A militante negra Dulce Pereira, natural de Rio Preto, terra de Antônio Pompêo, está em contato com a Mamapress.

Ela nos informou que está desde ontem com a família de Pompêo, participando em nome de todos os seus amigos e amigas e do Movimento Negro do Brasil, no apoio à família na organização do enterro de Antônio Pompêo.

Todos nós nos sentimos confortados pela presença de Dulce Pereira em Rio Preto e,  nos despedimos deste grande pessoa humana, que foi o militante negro, ator, artista plástico e propulsionador de mudanças nas relações raciais do Brasil. Mudanças para melhor, que ele mesmo não pode gozar, pois os inovadores costumam ser punidos por sua revolta contra o status quo do racismo à brasileira, com o ostracismo que lhes impedem de trabalhar.

Artistas negras e negros, que hoje têm um espaço de trabalho, mesmo que mínimo, na grande mídia e televisão , têm muito a agradecer a homens e mulheres como Antônio Pompêo, que passaram sua vida profissional lutando contra o apartheid que domina o meio televisivo e artístico no Brasil e por isso foram sacrificados.
No Rio de Janeiro, está sendo organizada uma homenagem de 7º dia para Antônio Pompêo. Manteremos nossos leitores informados.

O Diário da Região, da cidade de Rio Preto, noticiou o acontecimento.

O corpo do ator Antônio Pompêo será sepultado em Rio Preto, sua terra Natal, na manhã desta quinta-feira, dia 7, no Cemitério São João Batista.

Antônio Pompêo

Antônio Pompêo

A informação foi confirmada ao Diário pelo irmão do ator, o aposentado Oscar Pompeo. O ator, que foi encontrado morto em seu apartamento em Guaratiba, zona oeste do Rio de Janeiro, na tarde de terça-feira, será enterrado no jazigo da família, junto da mãe, Sebastiana Pompeo.

Segundo o irmão do artista, não haverá velório, mas sim uma breve cerimônia antes do sepultamento, prevista para às 8 horas. O aposentado disse que ainda não há informação sobre a causa da morte. O corpo do ator deve ser transladado para Rio Preto ainda nesta noite. Ele foi encontrado depois que uma vizinha e amiga estranhou o seu sumiço desde o fim de semana e acionou a Polícia Militar. “Ainda não caiu a ficha, era meu irmão caçula, sempre pensei que seria ele quem iria me enterrar. Infelizmente aconteceu o inverso.”

Pompêo, que tinha 62 anos, começou a carreira artística no teatro amador, ainda na juventude, em Rio Preto. Depois, seguiu para São Paulo. O artista fez inúmeros trabalhos no cinema e na TV. Atuou em novelas, como “O Rei do Gado”, “Mulheres de Areia” e “Fera Ferida”, e minisséries. Um de seus personagens mais marcantes no cinema foi Zumbi, no filme “Quilombo”, de 1984, dirigido por Cacá Diegues.

Seu último trabalho na TV foi em 2012, em “Balacobaco”, na TV Record. O artista também teve um importante trabalho de militância no movimento negro, sendo um dos nomes que ajudaram a abrir as portas para atores negros na dramaturgia brasileira. No Facebook, foram várias as manifestações de pesar de amigos, familiares, colegas de trabalho e admiradores.

“Antonio Pompêo morreu. Um dos mais brilhantes e fundamentais atores brasileiros na árdua batalha pela consolidação e valorização da arte negra no país sai de cena para também virar constelação lá no infinito. Para a nossa tristeza (e não supresa), a perda é noticiada de forma tímida e pouco relevante. Nos principais telejornais nem uma única menção sequer. Nos sites e portais de notícias, registros protocolares. Antônio Pompêo, para que não nos esqueçamos, foi um dos que alicerçaram o caminho para que nomes como Thaís Araújo e Lázaro Ramos pudessem brilhar hoje como protagonistas de novelas e séries de TV”, escreveu o jornalista e pesquisador carioca Vagner Fernandes.

“Grande artista, grande rio-pretense, ex-funcionário da antiga Folha de Rio Preto, excelente ativista pelos direitos sociais dos negros brasileiros”, declarou o poeta rio-pretense Manoel Messias Pereira.

“Pompêo foi um grande ator mal aproveitado. Não teve o grande reconhecimento que merecia e acho que morreu de tristeza. Tínhamos uma relação que não tinha nome. Eu era namorada, mãe, madrinha, tudo ao mesmo tempo. Pompeo foi um grande amigo, companheiro, irmão… Meu amigo estava recluso, deprimido com a falta de oportunidades de trabalho… Essa é a realidade”, escreveu na noite de terça-feira a atriz Zezé Motta.

Família de Antonio Pompêu soube da morte do ator pela internet e acredita em infarto: ‘Estava bem e saudável’


do original Extra

A família de Antonio Pompêu, que foi encontrado morto nesta terça-feira em sua casa, em Guaratiba, Zona Oeste do Rio, ficou sabendo do ocorrido pela internet. É que todos vivem em São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, cidade natal do ator e artista plástico. O EXTRA conversou com o irmão de Antonio, o aposentado Oscar Pompeu, de 70 anos, que acredita que o artista morreu em decorrência de um infarto fulminante. A notícia foi recebida com muito abalo por todos da família.

“Entrei ontem na internet e li várias pessoas me mandando mensagens de pêsames, mas eu não sabia o que estava acontecendo. Até que uma pessoa me contou que o meu irmão estava morto. Fiquei em choque. Foi uma notícia muito triste. Depois, me encarreguei de avisar aos outros dois irmãos. Todos estão muito abalados”, conta.

Antônio Pompêo foi encontrado morto em casa
Antônio Pompêo foi encontrado morto em casa Foto: Divulgação/Gianne Carvalho

A última vez que a família falou com Antonio foi no Natal.

“Ele estava ótimo, feliz, saudável, superbem… Não tinha problema de saúde nenhum. Sempre teve uma saúde de ferro. Acredito que ele tenha mesmo sofrido um infarto fulminante”, diz Oscar, que não via o irmão há mais de dez anos. “A última vez que ele esteve aqui foi no enterro da nossa mãe. Mas a gente sempre se falava pela intenet e telefone”.

Antonio tinha 62 anos e era o filho caçula de quatro irmãos. O ator não era casado e, segundo Oscar, tinha apenas uma herdeira que ele adotou como filha. Os irmãos, cunhados e sobrinhos de São José do Rio Preto são os únicos parentes do artista.

Ator será enterrado em SP

O sobrinho de Antonio, o produtor Paulo Alexandre, está vindo para o Rio nesta quarta-feira para cuidar da transferência do corpo do ator para São José do Rio Preto, onde será velado. nesta quinta-feira.

“Meu filho e a esposa dele foram de carro para o Rio cuidar desses detalhes. Queremos trazer o meu irmão para ser enterrado aqui, perto da família dele”, diz Oscar.

O corpo de Pompêu foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) de Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. Segundo um comunicado enviado pela assessoria da Polícia Civil na manhã desta quarta-feira, um laudo pericial está sendo feito para saber a causa exata da morte.

“As investigações estão em andamento na 43ª DP (Guaratiba) para apurar as circunstâncias da morte. A perícia foi feita no local. O corpo foi encaminhado para o IML/Campo Grande. Familiares do ator vão ser chamados para serem ouvidos na unidade policial. A polícia aguarda o resultado dos laudos periciais”, diz o comunicado.

Família de Antonio Pompêu: cunhada, o sobrinho Paulo (com sua filha) e o irmão Oscar
Família de Antonio Pompêu: cunhada, o sobrinho Paulo (com sua filha) e o irmão Oscar Foto: Reprodução

Polícia suspeita de morte natural

O delegado Luiz Jorge Rodrigues da Silva, titular da 43ª DP (Guaratiba), que investiga o caso, trabalha inicialmente com a possibilidade de morte natural.

“A princípio me parece ser um caso de morte natural, pois não tinha sinais de briga ou violência no local. Vamos ouvir vizinhos e esperar a conclusão do laudo para saber se algum objeto da casa foi quebrado ou se há algum sinal de ação violenta”, diz o delegado, acrescentando que pediu prioridade no caso.

Carreira

Com 40 anos de carreira, Pompêo ficou conhecido por filmes como “Xica da Silva” e “O cortiço”. Na televisão, ele atuou nas novelas “O rei do gado”, “A viagem”, “Pecado capital”, “Mulheres de areia”, “Pedra sobre pedra”, “Fera ferida” e na minissérie “A casa das sete mulheres”.

Seu último trabalho na TV foi na novela “Balacobaco”, da Record, em 2012. Diretor do Sated-RJ (Sindicato dos Artistas e Técnicos em Espetáculos de Diversões do Estado do Rio de Janeiro), ele também era conhecido pelo trabalho em prol do movimento negro.

O ator, em foto de 2007
O ator, em foto de 2007 Foto: Agência O Globo

 

Antônio Pompeu: “O racismo é uma serpente de muitas cabeças. Damos um golpe no seu corpo e ela se multiplica. Precisamos lutar para que essa igualdade exista e que todos possam participar”


Nota da Mamapress: Também amigo de Antônio Pompêo, o comunicador e militante negro José Ricardo de Almeida nos enviou um artigo escrito por ANTONIO POMPÊO e publicado no O Globo em 10/06/2010, assim como uma pequena fala de Pompêo nos 100 anos de Abolição em 1988.

Januário Garcia enviou uma foto de Pompêo sempre garotão.

Rosane Aurore Romão Juliano escolheu a frase título da matéria do Pompêo em homenagem ao Pompêo.

Luiz Carlos Gá, designer e também militante negro desde os anos 70, nos enviou um “logo” de despedida do Pompêo, resumindo os sentimentos de perda de milhares de pessoas nas redes sociais.

Antônio Pompêu-Designer Gá

Antônio Pompêu-Designer Gá

Assim temos a nossa rede tambor formada da imprensa negra, que ajuda a baixar para todos a análise de conjuntura da situação política do negro no Brasil.

Antônio Pompêo escreveu este texto em 2010, mas quiseram os mestres de nossos destinos, que ele, o texto, infelizmente se ajustasse ao momento atual brasileiro, momento em que ele se despede de nós, triste e sozinho como Zezé Mota postou em seu Facebook:

” Pompêo foi um grande ator mal aproveitado. Não teve o grande reconhecimento que merecia e acho que morreu de tristeza. Tínhamos uma relação que não tinha nome. Eu era namorada, mãe, madrinha, tudo ao mesmo tempo. Pompêo foi um grande amigo, companheiro, irmão… Meu amigo estava recluso, deprimido com a falta de oportunidades de trabalho… Essa é a realidade.”

Em 2010, Antônio Pompêo já prenunciava:

“O racismo é uma serpente de muitas cabeças. Damos um golpe no seu corpo e ela se multiplica. Precisamos lutar para que essa igualdade exista e que todos possam participar”. 

ANTONIO POMPÊO

Antonio Pompêo- foto Januário Garcia

Antonio Pompêo- foto Januário Garcia

Na peça teatral “Esse perverso sonho de igualdade”, de Joel Rufino dos Santos — que fala da revolta dos alfaiates ocorrida na Bahia do século XVII —, um dos revoltosos entra em desespero e grita: “O mundo é dos brancos, nós somos os penetras!”

É assim que, às vezes, os não brancos da nossa sociedade se sentem: excluídos na invisibilidade. Ao andarmos, por exemplo, pelo Congresso Nacional, símbolo de democracia, constatamos a invisibilidade. Aí, perguntamos: por que isso acontece?

Existe uma sutileza nesse olhar que só sente quem está do lado de cá. Da mesma maneira sentimos a intenção de apagar o passado escravocrata deste país. Não dá. São apenas 122 anos. As marcas estão aí para quem quiser ver. Milhares de negros não conseguiram atravessar o Atlântico, ficaram no meio do mar, almas perdidas e esquecidas e que clamam por um reconhecimento histórico. Impossível dizer que a escravidão não aconteceu.

Durante muitos anos vivemos sob o véu da democracia racial. Foram anos de luta até admitirmos a desigualdade e o racismo. Graças à atuação de uma geração do movimento negro brasileiro, conseguimos colocar a questão racial em pauta. No entanto, a resistência a discutirmos o assunto ocasionou um hiato muito grande no atendimento de nossas reivindicações.

O racismo é uma serpente de muitas cabeças. Damos um golpe no seu corpo e ela se multiplica. Precisamos lutar para que essa igualdade exista e que todos possam participar. Mas nem sempre tratar os iguais igualmente dá certo. Às vezes necessitamos apressar os acontecimentos, tomar medidas urgentes. Este é o caso das ações afirmativas. Só com elas os negros poderão participar ativamente da divisão econômica no Brasil. As nossas reivindicações estão em análise no STF. Se a decisão for favorável, avançaremos; se for contrária aos nossos interesses, acataremos.

Na década passada ficamos iludidos pela entrada no século XXI. Com certeza, na medicina, na ciência e outras modalidades entramos neste século. Mas estamos atrasados nas relações humanas. Parece que nada mudou. Os conflitos mundiais estão aí para provar. A grande novidade foi a eleição de um negro, algo até então impensável, para a presidência dos Estados Unidos. Esperamos que esses ventos de mudanças cheguem por aqui.

O Brasil está deixando de ser o país do futuro e entrando no clube das nações do presente. Mas, para entrar definitivamente no novo século, precisamos incorporar essa leva de 49% de negros e pardos. Sem isso não há como avançar e se tornar um país competitivo. Zumbi, Machado de Assis, Juliano Moreira,Tia Ciata, Lima Barreto, Antonio Rebouças, Cartola, Lélia Gonzales, Carolina de Jesus, Mãe Menininha do Gantois, Aleijadinho, Pixinguinha e tantos outros e outras clamam por uma verdadeira democracia racial.

O autor é ator, diretor e presidente do Centro Brasileiro de Informação e Documentação do Artista Negro (Cidan).

Ator e militante do movimento negro, Antônio Pompêo morre aos 62 anos


Causa da morte ainda não foi divulgada

Meu amigo Antônio Pompeu faleceu. Tomei conhecimento de sua morte através do jornal o Globo. Sorri junto com ele. Com seu jeito perspicaz, silencioso conseguiu a façanha da Rede Globo escrever a manchete: “Ator e Militante Negro”.  Não dava para desconversar e escrever  “ator negro”, ele era um militante negro ator e, por isso não foi chamado muitas vezes para novelas ou filmes, apesar de ter se consagrado nacional e internacionalmente com o papel de  Zumbi no filme Quilombo, de Cacá Diégues.

Se cá tivéssemos uma calçada da Fama na Cinelândia em frente ao Cinema Odeon, os pés pretos do ator militante negro Antônio Pompêo, teriam rasgado o cimento do coração do Rio para toda a eternidade.

Quando tive que sair do Brasil em 1989, Pompêo e o também falecido Paulão se mudaram para a casa em que eu morava em Santa Teresa. Seguraram o contrato como se diz no popular. Todo ano que vinha ao Brasil, o encontrava, sempre silencioso e agindo pela causa negra. Sempre me falava:  “Tá difícil para nossos e nossas irmazinhas negras terem espaço no palco nacional da visibilidade”. Marcos Romão

E lá se vai mais um dos nossos guerreiros, Antonio Pompêo. Ator, artista plástico e Militante Negro, Pompêo participou ativamente da nossa luta, sempre esteve antenado com a situação de nós negros em todos os segmentos da sociedade. Calado, reservado mas atuante. Tive oportunidade de fotografá -lo e também suas obras. Pompêo nos deixa um legado da sua atuação em filmes e novelas, na luta conta o racismo e também inúmeros quadros e cerâmicas pintados

Antonio Pompêo- foto Januário Garcia

Antonio Pompêo- foto Januário Garcia

Januário Garcia, amigo comum de Pompêo, nos relata no Facebook

E lá se vai mais um dos nossos guerreiros, Antonio Pompêo. Ator, artista plástico e Militante Negro, Pompêo participou ativamente da nossa luta, sempre esteve antenado com a situação de nós negros em todos os segmentos da sociedade. Calado, reservado mas atuante. Tive oportunidade de fotografa -lo e também suas obras. Pompêo nos deixa um legado da sua atuação em filmes e novelas, na luta conta o racismo e também inúmeros quadros e cerâmicas pintados

A matéria de O Globo

Antônio Pompeô

Antônio Pompeô

RIO – Antônio Pompêo, ator, diretor artista plástico e militante do movimento negro, morreu na tarde desta terça-feira aos 62 anos, no Rio. A informação foi confirmada pela Polícia Militar (PM), que ainda não divulgou as causas da morte. Ele foi encontrado sem vida em casa, no bairro de Guaratiba.

Pompêo é conhecido por papeis em filmes como “Xica da Silva” (1976), de Cacá Diegues, e novelas como “Tenda dos milagres” (1985), da Rede Globo. Ele foi protagonista do filme “Quilombo”, também de Cacá Diegues. No longa, lançado em 1984, Pompêo viveu Zumbi dos Palmares.

Pompêo também foi presidente do Centro Brasileiro de Informação e Documentação do Artista Negro (Cidan) e diretor da Fundação Palmares.

O ator estreou na TV com “A moreninha” (1975), da Rede Globo. Ele fez papéis marcantes em “O Rei do Gado”, “Sinhá Moça”, “A viagem”, “Pecado capital”, “Mulheres de areia”, “A casa das sete mulheres”, “Pedra sobre pedra” e “Fera ferida”. Seu último trabalho na televisão foi em “Balacobaco”, da Rede Record, em 2012.

Combativo, o ator — nascido em 1953 na cidade de São José do Rio Pardo (SP) — sempre se posicionou contra o preconceito. Em 2010, Pompêo publicou um artigo nas páginas do GLOBO sobre o tema: “O racismo é uma serpente de muitas cabeças. Damos um golpe no seu corpo e ela se multiplica. Precisamos lutar para que essa igualdade exista e que todos possam participar”.

No Facebook, Zezé Mota postou uma mensagem de luto e relembrou os trabalhos que eles fizeram juntos. Os dois contracenaram em “Xica da Silva” e “Quilombo”, por exemplo. “Em choque, e com muito pesar que comunicado a perda do meu amigo e grande ator Antônio Pompêo”, escreveu.