A Morte de minha Avó no meu Carnaval de Menino!


máscara de morcegopor Ras Adauto

Foi num sábado de carnaval de manha que a minha avó Maria de Lourdes caiu mortinha na sala dos aposentos da Cabeça de Porco em que morávamos em Cascadura. Eu teria 5 anos de idade e nunca mais me esqueci do filme que passou na minha frente naquele dia.

Minha mãe aos berros com as vizinhas que acorreram para ajudar. E eu e minha irma sem entender patavinas do que estava acontecendo.

Vestiram minha Avó na melhor de suas roupas e a colocaram em cima da mesa cercada com 4 velas.

E eu não entendia porque a minha avó estava ali deitada e não terminava a minha fantasia de Morcego que ela estava fazendo para mim e que me vestiria no domingo de Carnaval.

Começou a chegar gente. Vieram os urubus da Funerária “Boa Viagem” trazer o caixão da morta e chegou meu pai do trabalho e trazendo a minha máscara de Morcego.

E durante aquele sábado todo, um povaréu se instalou na casa e fizeram o gurufim.

Mas eu rondava a mesa onde minha avó estava deitada, perguntando quando ela terminaria a minha fantasia, pois o meu pai já tinha trazido até a máscara. E por que a fantasia estava lá na máquina e ela ali deitada sem fazer nada?

Minha mãe tentou me explicar que a “vovó tinha ido para o céu e não podia mais fazer a minha fantasia”.

Fiquei pelos cantos emburrado até o dia seguinte na saída do enterro.

Domingo de Carnaval – Antes do enterro sair, corri até o portão, pois havia chegado o coche para levar a minha avó embora. Era um coche todo dourado e roxo, puxados por dois cavalos magníficos, um preto e um branco, com rédeas douradas, roxas, brancas e pretas e com estrelas prateadas nas testas.

Veio um berreiro lá de dentro da casa e surgiram vários homens, com meu pai à frente, carregando o caixão da morta. Passaram por mim no portão e quando iam colocar o caixão vinha vindo um bloco de sujo todo animado pela rua Felício. Quando viram o caixão sendo colocado no coche, pararam a fuzarca e ficaram em silencio. Os que tinham chapéus, tiraram e ficaram parados até o coche se movimentar. Aí, alguém deu um apito e um bumbo bateu três vezes e voltou a fuzarca. E lá se foram eles, o Cortejo fúnebre e o Cortejo momesco descendo à rua Felício até sumirem lá embaixo.

Voltei para dentro de casa e coloquei a minha máscara de Morcego e retornei para o portão. Mas era uma folia sem graça naquele domingo cheio de Carnaval.

Isso foi há 60 anos atrás, na Rua Felício 33, em Cascadura.

Negra Panther.

imagem/art: “máscara da fantasia de morcego”

Beija-Flor e o dinheiro sangrento no carnaval. Juíza Denise Frossard critica enredo patrocinado por ditador da Guiné Equatorial: ‘dinheiro sujo’


 

  • Juíza Denise Frossard critica enredo patrocinado por ditador de país africano: ‘dinheiro sujo’
    Para especialistas, os R$ 10 milhões pagos pela Guiné Equatorial à Beija-Flor mancham imagem da escola
    POR BARBARA MARCOLINI E RAFAEL GALDO
    fonte: o globo
  • beija flor

    Homem finaliza pintura de uma das alegorias da Beija-Flor de Nilópolis: enredos patrocinados já foram alvo de críticas – Pedro Kirilos / Agência O Globo (07/01/2015)

    RIO – Os R$ 10 milhões pagos pelo governo da Guiné Equatorial à escola de samba Beija-Flor não chamam atenção somente pelo tamanho da quantia, a maior já oferecida para um enredo no carnaval carioca. Juristas e especialistas em direitos humanos questionam o apoio do ditador Teodoro Obiang, há 35 anos no comando do país, a uma das festas mais democráticas do planeta. O ditador é acusado pela organização Human Rights Watch por violações dos direitos humanos e irregularidades no processo eleitoral. Já seu filho, o vice-presidente Teodoro Obiang Mangue, é considerado foragido pela Justiça francesa, e foi condenado pelos crimes de lavagem de dinheiro e desvio de recursos públicos.

    ALERTA PARA ORIGEM DO DINHEIRO É ANTIGO

    Para a juíza Denise Frossard, responsável pela condenação da cúpula do jogo do bicho em 1993, o fato de a Beija-Flor ter recebido verbas de um governo ditatorial não é surpresa. Ela afirma que na sentença escrita há 22 anos já alertava para as relações entre os dirigentes da Liga das Escolas de Samba (Liesa) e atividades ilícitas.

    – É um dinheiro que traz a interrogação de ter vindo com sangue. A simples dúvida já seria mais do que suficiente para recusar. Mas não é da tradição das escolas, até pela origem da direção delas, os condenados bicheiros. Você acaba por não poder exigir muito de pessoas como essas, que não vão ter a ética de fiscalizar a origem das verbas – diz. – Mas não faz diferença se vem de ditador ou se vem deles. Não existe dinheiro mais ou menos sujo.

    Relatório da Human Rights Watch publicado em 2014 afirma que o país tem o maior PIB per capita da África, de US$ 32,026 mil, mas ocupa o 136º lugar, em um total de 187 países, no Índice de Desenvolvimento Humano da ONU. Apenas 44% da população têm acesso à água potável, e dados de 2011 mostram que os gastos do governo com educação e saúde, juntos, não passaram de 3% do PIB. O relatório cita ainda casos de tortura, detenções arbitrárias e cerceamento à liberdade de imprensa.

    – Há uma contradição enorme em fazer uma homenagem ao povo pobre da Guiné Equatorial e, ao mesmo tempo, aceitar R$ 10 milhões que poderiam ter melhor aplicação naquele país – diz o professor de Direitos Humanos da FGV Direito Rio, Michael Mohallem. – O episódio mancha a organização do carnaval, e em particular da Beija-Flor, ao não criar uma regra ética básica estabelecendo limites para que as escolas captem recursos.

    Apesar da polêmica, especialistas acreditam que o patrocínio não chegaria a tirar pontos da escola. Marcelo Guedes, coordenador dos cursos de Administração e Relações Internacionais da ESPM-Rio e pesquisador do tema, também afirma que o apoio pode manchar a imagem da escola. Mas lembra que outros enredos patrocinados já foram alvo de crítica por motivos políticos, como o campeonato da Vila Isabel em 2006 com “Soy loco por ti America”, bancado pelo governo venezuelano:

    – Existe um fator de risco quando as escolas começam a escolher esses temas e acabam sendo rotuladas de forma negativa. Mas o carnavalesco tem total liberdade para conduzir o enredo. A Beija-Flor não está infringindo nenhum quesito. O que ela quer é ganhar o desfile.

    Em nota, a Beija-Flor afirmou, nesta quarta-feira, que recebeu apoio cultural e artístico da Guiné Equatorial, mas que, no enredo, não fará menções ao formato de governo do país. O texto não confirma nem desmente o patrocínio à escola. Mas, por meio de sua assessoria de imprensa, diz não ter recebido aporte financeiro.

    APARATO HISTÓRICO E CULTURAL

    Na nota, a escola afirma que buscará divulgar e “enaltecer a arte e a força do povo da Guiné Equatorial, bem como a transformação dos benefícios das suas riquezas naturais em melhorias para a população”. A escola afirmou ainda que o país ofereceu aparato histórico e cultural para que sua comissão de carnaval pudesse pesquisar.

    Bianca Behrends, membro da comissão da escola, afirma que integrantes da Beija-Flor fizeram duas viagens ao país, em contatos intermediados pela Embaixada da Guiné Equatorial no Brasil.

    – Trouxemos esculturas, tecidos e um acervo de duas mil fotografias. Mas a Guiné Equatorial tem menos de cinco décadas de independência. Não faria sentido um desfile inteiro sobre o país. Vamos abordar a região da Costa da Guiné, da floresta equatorial, dos tempos primitivos até hoje. Apenas no sexto carro temos a Guiné Equatorial. E, no último, o trataremos do laço cultural entre o Brasil e o país africano. Mas a questão histórica e política diz respeito a cada nação. Respeitamos a soberania de todos os povos. Vamos mostrar uma África colorida e para cima – diz.

    A escola negou ainda em nota que a letra do samba tenha sido alterada por determinação de dirigentes do país:

    “O samba foi alterado pela própria comissão de carnaval da agremiação, visando adequá-lo ainda mais à proposta do enredo, somente por isso”.

  • Nota da Mamapress e do Sos Racismo Brasil: Nas questões de direitos humanos não há o que titubear, Teodoro Obiang Nguema Mbasogo é o ditador mais antigo em um país africano, e apesar das riquezas e recursos da Guiné Equatorial, mais da metade de seus habitantes, vivem na extrema miséria e sob um regime de terror. “Desde meados dos anos 1990, a Guiné Equatorial tornou-se um dos maiores produtores de petróleo do sub-Saara. Com uma população de quase dois milhões, é o país com o maior PIB per capita do continente Africano, e o 69º do mundo. No entanto, a riqueza é distribuída de forma muito desigual e poucos pessoas foram beneficiadas com as riquezas do petróleo. O país ocupa a 144ª em 2014 Índice de Desenvolvimento Humano da ONU. A ONU diz que menos de metade da população tem acesso à água potável e que 20% das crianças morrem antes de completar cinco anos.O regime autoritário no poder na Guiné Equatorial tem um dos piores registos de direitos humanos no mundo, e consegue se manter como o “pior do pior” no ranking da pesquisa anual da Freedom House de direitos políticos e civis. Repórteres classificam o presidente Teodoro Obiang Nguema Mbasogo um dos “predadores” da liberdade de imprensa.4 O tráfico de pessoas é um problema significativo, dew acordo com o “US Trafficking in Persons Report”, de 2012, que afirma que “a Guiné Equatorial é uma fonte e destino para mulheres e crianças vítimas de trabalho forçado e tráfico de sexo.”

    No dia 23 de Julho de 2014 Guiné Equatorial entrou na CPLP. ” fonte wikipedia

 

Carnaval do Clube Brasileiro de Hamburgo este ano é no “Sporting”


Queridos sócios e amigos do Clube Brasileiro!
Gostaríamos de comunicar que nosso tradicional baile de carnaval será realizado esse ano no Restaurante Sporting  no dia 25 de fevereiro de 2012 !
O motivo para a mudança de local é a interdição do salão de festas do Germania Ruder Club, aonde já festejamos nosso carnaval há 42 anos.  Essa medida foi decretada pela Secretaria de Obras de Hamburgo, para que intensas e urgentes reformas estruturais possam ser realizadas.
O Sporting Clube de Hamburg fica localizado no Wandalenweg 4,  20097 Hamburgo  (veja convite em anexo).  O local oferece um fácil acesso com as linhas de metrô 2 e 3, descendo-se na estação de Berliner Tor e S-Bahn Hammerbrook.
Temos toda a certeza de que a mudança de local do baile não diminuirá a empolgação e alegria, que todos os foliões sócios e convidados trazem ao carnaval do Clube Brasileiro todos os anos !
A Diretoria.

Quando?- 25 de fevereiro de 2012 a partir das 20 horas
Aonde? – Restaurante „Sporting „, Wandalenweg 4
20097 Hamburg – (Metro linha  2 e 3 Berliner Tor/ ou S-Bahn Hammerbrook)

HAVERÁ CONCURSO DE FANTASIAS SOMENTE PARA OS SÓCIOS!
Entrada: para sócio €  12,00  VVk  – não sócio € 16,00 VVk
no dia da reunião do clube no Pro-Linguis, dia 20.01.2012

Na portaria: para sócio € 16,00 e  não sócio € 20,00
Estudante € 8,00 – com  apresentação da carteira!

Favor confirmar sua presença c/Yara-Tel.470517(yf-cbh@t-online.de) ou Elisabeth-Tel.82 69 27 (E.vonblittersdorff@web.de)

PEDIMOS O FAVOR DE NÃO TRAZER CONFETES, SÓ  AS PLUMAS DE PRAXE. Obrigado!

Ortrun da Mamaterra fotografa carnaval em setembro em Hamburgo


Ortrun Gutke

O bairro de Altona em Hamburgo tem coisas especiais. Uma é o carnaval em setembro. Começõu com o Spassparade da Cecília Simão, e hoje é o Stamp, umafesta em que artistas de rua de toda a Europa agitam tres dias e tres noites no bairro que a Radio Mamaterra/ Quilombo Brasil tem a sua sede. Ortrun Gutke a moderadora com voz alemã da Rádio Mamaterra deu um rolé pela festa,

Este slideshow necessita de JavaScript.

Sambagruppe “Virada” feiert 25er Geburtstag am Elbstrand mit 300 Sambistas.


Este slideshow necessita de JavaScript.

João Bosco in Hamburg Heute 25 in Planten un Blomen


Brasilien in Planten un Blomen
quelle:NDR webseite Video: Bunks
Program
Das Jazzbüro Hamburg hat fürs Wochenende zum 16. Jazz Open in den Stadtpark “Planten un Blomen” eingeladen. Auf der Festival Bühne im Musik-Pavillon ist am 26. und 27. Juni “die erste Liga der Hamburger Jazzer” vertreten.

Bei den insgesamt zehn Konzerten, die auf dem Programm stehen, sind nationale und internationale Gäste zu hören. Der Eintritt ist auch in diesem Jahr frei.

Den Auftakt macht am Sonnabend-Nachmittag das Jazzhaus Orchestra Hamburg, das Stücke von Mischa Schumann spielt. Am späten Nachmittag stellt der frühere Chef-Dirigent der NDR Bigband, Dieter Glawischnig, sein Hamburg Ensemble vor.

Mit dabei ist in diesem Jahr aber auch die NDR Bigband selbst – mit João Bosco. Nach der erfolgreichen gemeinsamen Tour in Brasilien und zwei Konzerten in Norddeutschland 2008 treffen nun endlich der

foto NDR

brasilianische Gitarrist und Sänger mit Schlagzeuger Kiko Freitas und die NDR Bigband auf der Bühne des Musik-Pavillon aufeinander. Dieses Programm ist am 3. Juli auch beim Festival Jazz Baltica in Salzau zu hören.

JOÃO BOSCO & N DR BIGBAND 20.20 Uhr
Ltg. Jörg-Achim Keller, feat. Kiko Freitas (dr)
„Mit der NDR Bigband habe ich magische Momente“, sagt João Bosco. „Mit
diesen Solisten kann ich meine Musik jeden Tag neu erfinden!“ Bosco ist einer
der bedeutendsten Vertreter der Música Popular Brasileira. Der musikalische
Patensohn des Bossa Nova-Schöpfers Antônio Carlos Jobim hat eine einzigartige,
kunstvolle Mixtur aus Samba und Jazz geschaffen. Sein berühmtester
Song „O Bêbado e a Equilibrista” wurde zur Hymne von Amnesty International.
Gesungen hat er ihn überall: von der New Yorker Carnegie Hall bis zum
Montreux Jazz Festival.

Alemães dão banho de samba no Rio Elba 170 bateristas festejam 25 anos da “VIRADA”



O grupo de samba “Virada” festeja 25 anos. Tocam como mestres da vida.
Mais de 20 grupos de samba de hamburgo e outras cidades vão festejar hoje 25 de junho de 2011, na praia do Rio Elba na altura de Olvegonne. Durma-se com um barulho maravilhos destes. Hamburgo vai virar Rio de Janeiro sem balas, só samba e amor”

Es ist soweit, unsere Sambagruppe Virada (www.virada.de) feiert 25. Jahre bestehen und aus diesem Grunde gibt es am nächsten Wochenende eine Megabateria am Elbstrand von Övelgönne (wenn es nicht gerade Bindfäden rechnet). Es haben sich bis zu 170 Sambistas aus allen Teilen Hamburg und dem Umland angemeldet uns ein Ständchen zu bringen.