Neguinho do Samba: O samba-reggae. A escola popular Olodum


Neguinho do Samba durante a gravação do Clip com Michael Jackson em salvador

Neguinho do Samba durante a gravação do Clip com Michael Jackson em Salvador

por Marcos Romão

Neguinho do Samba ou Antônio Luiz Alves de Souza, 1955-2009 morreu prematuramente de saúde, ou para escurecer melhor a história, faleceu depois de voltar com dores no peito do ambulatório médico onde lhe prescreveram calmantes, como de praxe, ao invés de ser encaminhado para exames que constatassem a urgência de tratamento. São incontáveis o número de amigas e amigos negros que deixei para trás na travesseia dos 50 anos de idade. Morreram prematuros do desleixo no atendimento à nossa população, negra principalmente.

Ao publicar no Cultne Acervo em 2010. o vídeo clipe dos bastidores da produção do clipe da música “They don´t really care about us”, de Michael Jackson, na Bahia, com participação especial do Olodum gravado em 02 de fevereiro de 1996 por Adauto e Vik para Enugbarijô Comunicações, Asfilófio Filho, o Dom Filó, deve ter vislumbrado a importância de uma “imprensa” negra, para que toda uma história da cultura Brasileira nunca fosse esquecida.

Dos anos 70 para cá, primeiro algumas pessoas e agora milhares de negras e negros no Brasil e no mundo. “fazem” uma outra imprensa, que retrata um mundo que influencia todas as culturas, mas que não aparece nas telas e nas letras da grande imprensa brasileira. Todos seguem o Jornal Quilombo, lançado no final dos anos 40. Hoje com as possibilidades de registros onlines, o Movimento Negro revela-se um baluarte no Movimento Socia, ao no trazer sem grandes recursos, um acervo para todos, do que recolheu-se de informações nos últimos 50 anos, e que se não fosse o “nós por nós”, ficaria como uma história esquecida, ou no máximo contada como “folclore” por pesquisadores brancos.

Neguinho do Samba emerge de todo um caldeirão cultural cozinhado no Pelourinho e nas periferias de Salvador. É Ilê ya ê, é Muzenza, é Olodum e tantos outros centros de cozinhamento e produção cultural do novo pelo povo e para o povo.

Lino de Almeida, Vovô, Cristina Ramos, João Jorge, Bira Reis, e não vou aqui escrever todos os nomes para não cometer falhas, foram exemplos de pessoas que conheci nas décadas de 70/80, em minhas “visitas políticas” à Salvador, como ativista negro, que permitiram politicamente o crescimento e explosão de vida, do já nascido gênio musical Neguinho do Samba. Como Neguinho, tem muitos outros e outras que hoje estão fazendo sucesso pelo mundo afora, mas principalmente estão vivos, num país em que “Eles não cuidam de nós”.

Conheci Neguinho do Samba em meados dos anos 80, mas foi somente tempos depois do sucesso mundial de “Eles não cuidam da gente/They Don’t Care About Us” com Michael Jakcson, foi que tivemos a oportunidade de conversar sossegados por uma hora. Com a jornalista alemã Nina Hellenkemper, o sequestramos numa tarde calma de meio de semana no Pelourinho e o levamos para uma igreja vazia. Lá com um gravador DAT da rádio alemã, que era o último tipo prá época, entrevistamos Neguinho do Samba e seu atabaque.
Neste momento mágico ele nos revelou o segredo do Mestre que revolucionou a batida do samba, que hoje inspira todas as escolas de samba e “batidas musicais” do Brasil e do mundo, e “representeou” ao samba, a sua agressividade perdida com a bossa nova.

Perguntado sobre que energia é essa, que tira do couro do atabaque a criação do novo ancestral? Neguinho respondeu na lata, com a sua famosa economia de palavras:

” Isto é conversa para boi dormir, esse negócio de energia, o negócio é bater e tirar o som. Isto aqui é couro de boi, boi que a gente come, só isso”. (Escute a partir do minuto 6:20)

Entrevistamos o Neguinho do Samba quando ele já havia saído do grupo para ajudar na fundação da “Banda de Mulheres Dida”, onde “Dida” significa, ” o poder da criação. Neguinho do Samba era uma espécie de Che Guevara visionário na miríade musical baiana. Não sossegava nem os pés nem as mão, era um Mestre da revolução permanente e passou antes de morrer o seu bastão para as mulheres, e hoje podemos ver Bandas de Mulheres nas Oropas, Franças e Bahias seguindo a trilha de Neguinho do Samba. São os milagres da vida, para quem nunca primou em vida por ser pouco machista.

Um pouco de seu histórico internacional de Neguinho do Samba, que não gostava de sair da Bahia, mas o mundo vinha até ele.

Metade do mundo musical passou em Salvador a partir da década de 80, Paul Simon foi também encontrar esta magia simples com Neguinho do Samba:

Jimmi Cliff rodava por lá o tempo todo:

 

Ground Zero-Cotas étnicos-raciais são 10-Marco Zero



enviado por Memorial Lélia Gonzalez

“Terrakota” pede desculpas à Hamburgo e agradece a compreensão da “Gafieira Universal.


2 dia antes do show em Hamburgo, a produção da Banda portuguesa “Terrakota” cancelou sua turnê que incluia Oslo, Berlim e Hamburgo. O produtor geral da pequena turnê, que não é de Hamburgo, teve problemas na organizção.

O Show de Hamburgo faria parte do lançamento do novo projeto da produtora “Gafieira Universal” desta cidade: A apresentação sempre de duas bandas, uma do Brasil e outra da Europa em um congraçamento transatlântico.

Natiruts foi a banda que chegou do Brasil especialmente para o show de abertura da temporada. A escolha da Banda Terrakota para ser a parte Européias havia sido intencional.

Hamburgo é a cidade do norte da Europa onde o uso da língua portuguesa possui uma tradição de 300 anos, que vem desde o tempo em que os mercadores de especiarias, da “India” chamada Brasil, circulavam pelo porto hanseático .

A migração de brasileiros para Hamburgo nas últimas décadas, só reforçou este quadro. Nas ruas da cidade no verão, só dá alemão tocando música brasileira e fazendo caipirinha.

“Terrakota” não pode vir.  Foi pena, mas a noite foi um sucesso, Natiruts foi recebido pela prata da casa,  a banda “Rapaziada do Samba”,com músicos brasileiros de Hamburgo, que não deixaram por menos e arrebentaram da boca do balão, botando o público para dançar e sentir-se como no Rio com 40º.

Recebemos da produtora “Gafieira Universal” está notícia via Facebook que reproduzimos, com o pedido de desculpas do Junior que faz parte da “Terrakota”:

Hamburgo 40° graus. Hoje, sábado 9, Natiruts vai ser recebida no Fabrik por “Rapaziada do Samba” e galera de músicos brasileiros de Hamburgo


Hamburgo pira no verão!

Rádio Mamaterra vai estar presente!

O calor de Hamburgo Hamburgo está fazendo inveja ao pessoal do Brasil. NATIRUTS  acaba de desembarcar no Porto de Hamburgo. A Banda vai se apresentar hoje a noite às 20 horas, Fabrik.

A “Rapaziada do Samba”, prata brasileira da casa, irá abrir a noite, que promete botar prá dançar até os mais emperdenidos pés-duros.

O DJ Celekta Joel vai dar uma canja junto com o famoso Sérgio-Br.

NATIRUTS JÁ SE SENTE EM CASA E PROMETE ARREBENTAR COM O HIT “LIBERDADE PRÁ DENTRO DA CABEÇA”.

A Gafieira Universal mandou este convite e quem não viver não viverà!
 NATIRUTS & RAPAZIADA DO PAGODE & DJ CELEKTA JOEL além de SÉRGIO-BR !  APRESENTAM-SE 9 de julho 21 horas no Fabrik, em Hamburgo

Hamburgo vai virar Brasil!



Natiruts – quem de nós brasileiros não conhece a música “Liberdade pra
dentro da cabeca”? É um dos maiores hits da banda fundada em 1996! Neste concerto eles estarão apresentando o seu novo album “RAÇAMAN” mixado em Londres, pelo grande DJ “Mad Professor”!

“Rapaziada do Samba” é conhecido e tradicional grupo de SAMBA e PAGODE de brasileiros na Alemanha.
Mais informações: www.gafieirauniversal.de

Falando de Tambor, Mamapress vai “está là”!


Com Carlos Negreiros o Ministro do Tambor.

sexta, 8 de julho · 19:00 – 22:00

Espaço Musical Laranjeiras; End. Travessa Euricles de Matos 36 – Laranjeiras – RJ

Valor: agasalho para doação.
Vagas limitadas!

Inscrições: espacomusicallaranjeiras@mail.com

“Carlos Augusto de Negreiros Ferreira é um percussionista, compositor e cantor brasileiro. Sua musicalidade têm influência cultural afro-brasileira e indígena.

Estudioso dos ritmos afro-brasileiros, ministrou aulas de percussão no Centro Cultural da UERJ, onde criou e dirigiu a Orquestra de Tambores e de Formação em Percussão e em Música para Diretores de Harmonia das principais escolas de samba do Rio de Janeiro, ligadas a Sodheserj. Recentemente participou como professor de percussão popular da 22ª edição do Encontro Internacional da Escola de Música de Brasília. Como percussionista, integrou a Orquestra Afro-Brasileira do maestro Abgail Moura, primeira orquestra a colocar sistematicamente a percussão como elemento solo em peças musicais.”

texto extraído da wikipédia

Gafieira Universal apresenta Natiruts na Fabrik de Hamburgo


Caros amigos e fans da Gafieira Universal,
depois de uma pausa, temos a honra e o prazer de convidá-los para o grande
concerto deste verão!
No dia 9 de julho estaremos apresentando em HAMBURGO as Bandas: NATIRUTS & TERRAKOTA na FABRIK!  9 de julho 21 horas.
Natiruts – quem de nós brasileiros não conhece a música “Liberdade pra
dentro da cabeca” ? É um dos maiores hits da banda fundada em 1996! Neste
concerto eles estarão apresentando o seu novo album “Raçaman” mixado em Londres, pelo grande DJ “Mad Professor” !
Terrakota é uma banda portuguesa que tem as sua origem musical nos ritmos
africanos, é bastante percussiva. A banda estará apresentado o seu novo
ábum “World Massala” em que o nome já anunçia a maravilhosa mistura de sons,
pois além do afrobeat misturam sons do oriente e da américa do sul, e
prometem fazer uma grande festa!
Mais informações: www.gafieirauniversal.de

Para o jornalista Ras Adauto, cultura de massas não é a produzida pela Globo


Ao visitar o Olodum em 1988, Ras Adauto, jornalista da Mamapress, radicado em Berlim, já reconhecia a criatividade e o poder das massas na criação e produção das culturas.
Vejam o depoimento recuperado pela Cultne do Rio de Janeiro.