How Argentina ‘Eliminated’ Africans From Its History And Conscience


By Palash Ghosh | June 04 2013 5:48 AM

Tens of millions of black Africans were forcibly removed from their homelands from the 16th century to the 19th century to toil on the plantations and farms of the New World. This so-called “Middle Passage” accounted for one of the greatest forced migrations of people in human history, as well as one of the greatest tragedies the world has ever witnessed.

Millions of these helpless Africans washed ashore in Brazil — indeed, in the present-day, roughly one-half of the Brazilian population trace their lineage directly to Africa. African culture has imbued Brazil permanently and profoundly, in terms of music, dance, food and in many other tangible ways.

But what about Brazil’s neighbor, Argentina? Hundreds of thousands of Africans were brought there as well – yet, the black presence in Argentina has virtually vanished from the country’s records and consciousness.

According to historical accounts, Africans first arrived in Argentina in the late 16th century in the region now called the Rio de la Plata, which includes Buenos Aires, primarily to work in agriculture and as domestic servants. By the late 18th century and early 19th century, black Africans were numerous in parts of Argentina, accounting for up to half the population in some provinces, including Santiago del Estero, Catamarca, Salta and Córdoba.

Statue of  "The Slave", by Francisco Cafferata in Buenos Aires, Argentina
http://usslave.blogspot.com
Statue of “The Slave”, by Francisco Cafferata in Buenos Aires, Argentina

In Buenos Aires, neighborhoods like Monserrat and San Telmo housed many black slaves, some of whom were engaged in craft-making for their masters. Indeed, blacks accounted for an estimated one-third of the city’s population, according to surveys taken in the early  1800s.

Slavery was officially abolished in 1813, but the practice remained in place until about 1853. Ironically, at about this time, the black population of Argentina began to plunge.

Historians generally attribute two major factors to this sudden “mass disappearance” of black Africans from the country – the deadly war against Paraguay from 1865-1870 (in which thousands of blacks fought on the frontlines for the Argentine military) as well as various other wars; and the onset of yellow fever in Buenos Aires in 1871.

The heavy casualties suffered by black Argentines in military combat created a huge gender gap among the African population – a circumstance that appears to have led black women to mate with whites, further diluting the black population. Many other black Argentines fled to neighboring Brazil and Uruguay, which were viewed as somewhat more hospitable to them.

Others claim something more nefarious at work.

It has been alleged that the president of Argentina from 1868 to 1874, Domingo Faustino Sarmiento, sought to wipe out blacks from the country in a policy of covert genocide through extremely repressive policies (including possibly the forced recruitment of Africans into the army and by forcing blacks to remain in neighborhoods where disease would decimate them in the absence of adequate health care).

Tellingly, Sarmiento wrote in his diary in 1848: “In the United States… 4 million are black, and within 20 years will be 8 [million]…. What is [to be] done with such blacks, hated by the white race? Slavery is a parasite that the vegetation of English colonization has left attached to leafy tree of freedom.”

By 1895, there were reportedly so few blacks left in Argentina that the government did not even bother registering African-descended people in the national census.

The CIA World Factbook currently notes that Argentina is 97 percent white (primarily comprising people descended from Spanish and Italian immigrants), thereby making it the “whitest” nation in Latin America.

But blacks did not really vanish from Argentina – despite attempts by the government to eliminate them (partially by encouraging large-scale immigration in the late 19th and 20th century from Europe and the Near East). Rather, they remain a hidden and forgotten part of Argentine society.

Hisham Aidi, a lecturer at Columbia University’s School of International and Public Affairs, wrote on Planete Afrique that in the 1950s, when the black American entertainer Josephine Baker arrived in Argentina, she asked the mixed-race minister of public health, Ramon Carilio: “Where are the Negroes?” In response, Carilio joked: “There are only two — you and I.”

As in virtually all Latin American societies where blacks mixed with whites and with local Indians, the question of race is extremely complex and contentious.

“People of mixed ancestry are often not considered ‘black’ in Argentina, historically, because having black ancestry was not considered proper,” said Alejandro Frigerio, an anthropologist at the Universidad Catolica de Buenos Aires, according to Planete Afrique.

“Today the term ‘negro’ is used loosely on anyone with slightly darker skin, but they can be descendants of indigenous Indians [or] Middle Eastern immigrants.”

AfricaVive, a black empowerment group founded in Buenos Aires in the late 1990s, claimed that there are 1 million Argentines of black African descent in the country (out of a total population of about 41 million). A report in the Washington Post even suggested that 10 percent of Buenos Aires’ population may have African blood (even if they are classified as “whites” by the census).

“People for years have accepted the idea that there are no black people in Argentina,” Miriam Gomes, a professor of literature at the University of Buenos Aires, who is part black herself, told the Post.

“Even the schoolbooks here accepted this as a fact. But where did that leave me?”

She also explained that almost no one in Argentina with black blood in their veins will admit to it.

“Without a doubt, racial prejudice is great in this society, and people want to believe that they are white,” she said. “Here, if someone has one drop of white blood, they call themselves white.”

Gomes also told the San Francisco Chronicle that after many decades of white immigration into Argentina, people with African blood have been able to blend in and conceal their origins.

“Argentina’s history books have been partly responsible for misinformation regarding Africans in Argentine society,” she said. “Argentines say there are no blacks here. If you’re looking for traditional African people with very black skin, you won’t find it. African people in Argentina are of mixed heritage.”

Ironically, Argentina’s most famous cultural gift to the world – the tango – came from the African influence.

“The first paintings of people dancing the tango are of people of African descent,” Gomes added.

On a broader scale, the “elimination” of blacks from the country’s history and consciousness reflected the long-cherished desire of successive Argentine governments to imagine the country as an “all-white” extension of Western Europe in Latin America.

“There is a silence about the participation of Afro-Argentines in the history and building of Argentina, a silence about the enslavement and poverty,” said Paula Brufman, an Argentine law student and researcher, according to Planete Afrique.

“The denial and disdain for the Afro community shows the racism of an elite that sees Africans as undeveloped and uncivilized.”

http://www.ibtimes.com/blackout-how-argentina-eliminated-africans-its-history-conscience-1289381#

IGUALDADE RACIAL COMO TRAGEDIA OU FARSA.


Igualdade Racial – Tragédia e Farsa

Yedo Ferreira

Janeiro 2014

Yedo Ferreira

Yedo Ferreira

Quando pretos (?) dos partidos de esquerda, em particular o Partido dos Trabalhadores e o Partido Comunista do Brasil apoiam ostensivamente pretos como Marcelo Dias (PT) e Edson França (PC do B) na ação que fazem para impor a todo custo o mito da igualdade racial como objetivo a ser alcançado pelos negros do Brasil, sem sombra de dúvida que não há como uma militância negra histórica se manter em silencio diante desta farsa inominável.

A igualdade em política, ou seja, a igualdade como qualidade de mesma condição e habilidade no trato das relações humana com vista a obtenção de um resultado desejado, é a rigor, palavra qualificada positivamente e usada por pessoa determinada em contextos diferenciados.

Neste sentido tem-se a palavra igualdade usada de forma positiva como igualdade de direito, igualdade de oportunidade e outras formas de igualdade. Porém, quando igualdade é usada em política como relação entre pessoas com predomínio da condição étnica, “racial” ou religiosa, o resultado quase sempre é uma tragédia para aqueles que acreditam nesta relação de igualdade. A condição humana mantém uma certa igualdade entre pessoas, mas as condições; étnica, “racial”, religiosa e mesmo nacional, são determinantes na manutenção da desigualdade entre elas.

Na história da humanidade o número dos que acreditaram em igualdade entre pessoas é grande e os trágicos resultados para as pessoas que colocaram fé nesta forma de igualdade também não é um numero pequeno. O mais trágico porém, é que o erro de um, nunca serve de exemplo a não ser seguido, palo outro.

Ao ser empossado como Primeiro Ministro do Governo da República do Congo (antigo Congo Belga), Patrice Lumumba, no seu discurso da Independência da colônia belga, proferiu as seguintes palavras de um crente na igualdade entre as pessoas: “Rejeitamos a política de dominação e optamos pela cooperação numa base de IGUALDADE, no respeito mútuo a soberania de cada Estado”.

Acreditar numa relação de igualdade como base da cooperação e colaboração entre negros colonizados da África e brancos colonialistas da Europa, custou a Patrice Lumumba a sua vida, morreu assassinado pelos antigos colonizadores em quem acreditava se relacionar no mesmo patamar de igualdade.

A caminho do cadafalso, líderes negros da Inconfidência Baiana ou Revolta dos Búzios, ocorrida no ano de 1793, em Salvador, na Bahia, com certeza haviam de ter como último pensamento, que vão pagar na forca com suas vidas por terem um dia acreditado na igualdade que os brancos, simpatizantes da Igualdade, Liberdade e Fraternidade, lema da Revolução Francesa, de 1789, propagavam entre os negros para contar com a participação dos mesmos na luta que diziam querer fazer contra o governo colonial português instalado na Bahia.

Anos mais tarde, em abril de 1803, agora numa prisão na França de Napoleão Bonaparte, o líder da Independência do Haiti – primeira e única revolta de escravos africanos vitoriosa nas Américas – Toussaint 1. Ouverture, debilitado pelas péssimas condições do cárceres e nos seus últimos dias de vida, deve ter pensado na sua fidelidade a França da igualdade e liberdade e por ter acreditado no Governo da Revolução que reconheceu no espírito da igualdade entre nações “irmãs”, a Independência do Haiti.

Ao serem informados do falecimento do Toussaint na prisão dos franceses, seus antigos companheiros de liderança na Revolta do Haiti, Dessaline e Moise, com certeza devem ter pensado no alto preço que Toussaint pagou por acreditar na igualdade entre as pessoas do Governo da França e na liberdade dos oprimidos da revolução francesa.

Um caso marcante de igualdade entre pessoas onde predominou posições ideológicas nacional e “racial” entre as pessoas envolvidas como determinantes nas condições de trabalho das mesmas aconteceu no México, na região de Cananea, no ano de 1906.

Em julho de 1906, operários da mineradora Cananea Cooper Company, do norte americano, William Greene, cruzaram os braços e iniciaram um movimento de greve. O motivo era Greene que decidiu contratar mineiros norte americanos com salários infinitamente maiores dos que ele pagava aos outros mineiros, entre eles muitos antilhanos procedestes das possessões inglesas e francesas que tinham abolido o trabalho escravo, além do beneficio de jornada de 8 horas de trabalho diário que apenas os mineiros norte americanos usufruíam.

A principal reivindicação era: Igualdade de tratamento entre os mineiros e substituição dos capatazes norte americanos, brancos é obvio, que maltratavam apenas os mineiros não brancos.

No primeiro dia de greve houve confronto grave entre mineiros do México e norte americanos, resultando na morte de dez mineiros, entre eles nenhum era norte americano.

No segundo dia de greve, numa forma explícita de afirmação de que a divisão entre os mineiros era “racial” com verniz de ser nacional: mexicanos contra norte americanos – o internacionalismo proletário não se fez presente – chegou a região de Cananea, 275 fuzileiros do Fort Huachuca (Arizona/EUA), sob o comando do coronel Rining, em apoio aos mineiros norte americanos.

A repressão foi brutal e resultou em mais 30 mineiros assassinados – nenhum norte americano – com a prisão e condenação sumária dos líderes da greve a 15 anos de reclusão na temível prisão de San Juan de Ulúa.

Enfim, 40 mortos e reclusão dos líderes da revolta, o saldo da greve de reivindicação por igualdade de tratamento no trabalho entre mineiros negros e brancos.

Assim negros (as) do PT e do PC do B que se deixam influenciar pelo branco do partido para fazer ações por igualdade racial, ignoram ou nenhuma importância dão fatos que a História registrou, uma vez que fatos históricos como os acima citados têm que ser olhados como exemplos trágicos do passado que não podem (nem devem) ser repetidos. Levantar bandeira de pró igualdade racial é um erro que cometem: Marcelo Dias (PT) com “igualdade racial é pra valer” e Edson França (PCdoB) com “…planos de igualdade racial com metas qualitativas…”

Em vista de que Marcelo Dias e Edson França se dizem marxistas não é demais lembrá-los de Karl Marx, “de que a história não se repete, mas sim fatos históricos por ventura semelhantes”, acrescentando “que podem se repetir como farsa ou tragédia”. Na conclusão de Marx, se um determinado fato histórico se realizou no passado como farsa, ele vai com toda a certeza se repetir no futuro como tragédia. O contrário também é verdadeiro: se o fato histórico aconteceu como tragédia ele vai se repetir como farsa.

Esse pensamento de Marx é uma retificação ao que falou seu antigo mestre Hegel (Friedrich) que “todo povo que não conhece a sua história está condenado a repeti-la”, repetir os erros cometidos o que é óbvio.

A verdade é que Hegel e Marx estavam certos, apenas em Hegel uma retificação de que um povo não aprende conhecendo apenas a sua história. Um povo aprende também conhecendo a história de outros povos, as suas vitórias e suas derrotas. Negros (as) do PT e PC do B melhor seriam se aprendessem com os pensamentos dos dois alemães. A final; se aceitam passivamente a orientação do branco do partido no qual são filiados para acreditar numa improvável igualdade racial, não há então nenhum absurdo em adotarem para as suas ações políticas, os pensamentos desses dois brancos alemães. Pelo menos nunca mistificaram como fazem os brancos dos dois partidos: Não acreditam em igualdade entre as classes sociais mas induzem negros (as) a acreditar em igualdade racial. Igualdade entre “raças” (?).

Da farsa e tragédia pensadas por Marx aplicada no marco da história do negro no Brasil, tem-se o decreto que aboliu a escravidão do negro no Brasil, assinado pela Princesa Isabel chamada a Redentora, é sem duvida um fato histórico importante. Contudo, não há como negar que esta Lei Aurea em si, resultou numa grande tragédia para os descendentes de escravos, mantidos por mais de um século, no subemprego e nas favelas, condições de vida das quais nunca se libertam.

O Estatuto de Políticas para a promoção da igualdade racial, lei assinada pelo Presidente Lula, chamada por negros (as) partidários, de nova “Lei Aurea”, tinha como pressuposto (ou deveria ter) mudar as condições de vida dos descendentes de escravos. Porém, passado anos em que a lei se encontra em vigor, nada mudou nas condições de vida dos descendentes de escravos, ainda nas favelas e nos subempregos. Sendo assim, não há como negar que o fato histórico como ato em que o Estatuto foi sancionado, é uma grande farsa.

Se os dois fatos históricos – se assim forem considerados – estiverem (e estão) de acordo com as afirmações de Marx; de fato histórico semelhante se repetir como farsa ou tragédia, então, a Lei Aurea foi a tragédia dos descendentes de escravos e o Estatuto de Igualdade Racial, a farsa. Uma farsa que não se tornou maior do que ela mesma, porque nenhum dos “pretos” presente no ato no Palácio Presidencial, reuniu coragem suficiente para de joelhos beijar a mão do Presidente Lula e assim repetir a atitude de José do Patrocínio, que, de joelho beijou a mão da Princesa Isabel.

Um fato graciosamente original que não pode deixar de ser citado: A Lei Aurea tragédia, O Estatuto, farsa. A democracia racial como farsa e a igualdade racial a tragédia. Resulta desses fatos que crença na igualdade racial é tragédia e farsa ao mesmo tempo. Nem mesmo Marx nos seus melhores momentos reflexivos pensou neste fato no mínimo inusitado.

De retorno a História, os fatos que nunca devem ser esquecidos, é que na revolta dos Búzios, na Bahia, na Revolta dos Escravos, no Haiti, na revolta dos mineiros, no México, havia em todos os envolvidos nessas revoltas, uma crença explicita na igualdade como um objetivo que esperavam alcanças com a luta que travavam.

Uma observação importante é que em todos os casos aqui citados de aspiração a igualdade entre pessoas, negros e brancos encontram-se em posições diametralmente opostas e sob a influencia de uma implícita ideologia, mas que é determinante. Porém existe um fator entre eles, a crença do negro na igualdade, onde só ele acredita na relação de igualdade entre negros e brancos.

Na Revolta dos Búzios, os brancos induziram os negros a tomarem para si, para confrontar a Coroa Portuguesa, os lemas igualdade e liberdade da revolução Francesa a qual eles tinham simpatias. Mas na repressão a revolta apenas os negros foram supliciados, os brancos que os induziram a revolta, a Coroa Portuguesa foi condescendente, uma vez que nenhum branco sofreu repressão alguma.

Na revolta dos Escravos no Haiti, Napoleão Bonaparte, que antes fora considerado avalista dos ideais da Revolução Francesa, de liberdade e igualdade, além de ser uma personalidade que Tossaint confiava, enviou seu exercito para esmagar no Haiti, a liberdade que Toussaint aspirava e a igualdade que acreditava.

A Revolta dos Mineiros no México, não teve melhor sorte os que acreditavam na igualdade entre as pessoas onde predominava uma determinada ideologia.

O grande escritor francês, Vitor Hugo, na sua obra prima, Os Miseráveis, ao retratar a Revolta de Paris, de 1815, na qual se pretendia o renascimento dos ideais republicano de Igualdade, Liberdade e fraternidade da Revolução Francesa de 1789, revolta que Vitor Hugo participou ativamente, e cujo resultado o levou ao exílio na Inglaterra, ao ser expulso da França, vaticinou: “Só existe igualdade na morte.”

Os negros/negras não omissos devem responder o que pensam da igualdade racial de Marcelo dias e Edson França.

Nota da Redação: Yedo Ferreira, 80 anos, ativista e  militante histórico do Movimento negro é internacionalista e defensor das Reparações Já.

Racismo: Sistema Operacional Brasileiro


Por Ricardo Andrade, extraído de Folha Popular
A questão racial no Brasil, e o racismo à brasileira ganhou no últimos tempos manchetes na grande imprensa e nos blogs à direita e à esquerda espalhados pelo país. Muito disto se deve à ascensão  de Joaquim Barbosa ao STF, momento em que a elite brasileira viu que tem gente não branca, preparada para decidir nas altas esferas de poder, mas principalmente pela existência de uma população de  periferia, que até então se mantinha com seus jovens em seu lugar,  que passou a reclamar da gentrificação, ou enobrecimento das cidades que os alija do acesso ao Palácios de Luxo e aos grandes estádios.
Estamos diante de uma geração de negros e pobres, que são milhões, que diante da impossibilidade de se divertirem e gozarem dos bens da sociedade, além da absoluta impossibilidade de passearam à noite nos finais de semanas sem levarem um tiro ou pelo menos um tapa na cara durante um baculejo policial, estão se mostrando para a sociedade e dizendo que também querem o que os filhos dos bem comportados e mal comportados têm.
Notícias de casos de racismo se repetem às dúzias nos blogs  e na grande imprensa, o Brasil acaba de descobrir o óbvio.
Nas redes sociais todos os dias são denunciados novos casos de violência, racismo e discriminaçõe, numa repetição que chega à banalização de uma realidade cruel:
É uma página da mais ricas do mundo, a Mercado Livre, que anuncia  a venda de negros de diversas utilidades. É uma jovem mãe negra obrigada a lavar o chão de uma loja fina, que sua filhinha de colo havia sujado ao regurgitar o leite mamado. São milhares de jovens pretos e pobres que são assassinados em autos de resistência pelo Brasil afora. Agora por último surge a revelação do que todos sabem fazem 47 anos, que no Maranhão ainda se vive no período colonial, com uma vice-rainha que a tudo se permite, inclusive camarões com cabeças cortadas.
Antes que tudo isto fique banal e no carnaval a gente esqueça, nós aqui na Mamapress vamos publicar artigos e opiniões, que possam ir além do enxugar o gelo ao denunciarmos casos de racismo. Queremos discutir sobre o racismo estrutural do Brasil, que sem meias palavras causa e é origem de tanta desgraça neste país e impede a participação, além de jogar foram os cérebros da maioria de nossa população.
Ricardo Andrade nos traz uma comparação entre o sistema Windows e o tentacular sistema que produz e vive do racismo à brasileira. (marcos romão editor da Mamapress)
 
 
O racismo no Brasil funciona como um sistema, ou seja um conjunto de elementos interligados, que atua de forma precisa, no sentido de manter a segregação e a distância social, que impede o desenvolvimento da nação.
Ricardo Andrade
 
racismo pc2 O primeiro sistema sócio político implantado no Brasil foi o sistema escravocrata e dele se originou os pilares que estruturaram as bases da nossa sociedade. Daí pra frente, tudo que acontece a nossa volta está correlacionado a esse sistema, que atua na manutenção da pirâmide social. O racismo está presente em tudo. Podemos dizer que o racismo está para a sociedade brasileira tal e qual o Windows está para um computador pessoal.
 
Quando ligamos o PC, é o Sistema operacional Windows que nos recebe, nos direciona e nos conduz a todos os programas, acessórios e ferramentas existentes na máquina. É o Sistema que nos permite ou não desenvolver as ações que queremos. Se nossa intenção ao ligar o PC for escrever um texto, será o Windows que nos direcionará ao world e disponibilizará as ferramentas de digitação e formatação. Caso nossa intenção seja a elaboração de uma tabela, será o sistema Windows que nos conduzirá ao Excel e as suas funções. É o Windows que nos faz navegar por todo o conteúdo de um PC. É esse sistema que abre e fecha os programas. É o sistema que liga e desliga a máquina e, se por acaso tentarmos executar alguma ação, que não esteja em sintonia coma sua programação original, o sistema para, a máquina trava e, se essa intervenção acontecer de forma que drible a capacidade de gestão desse sistema, ele reinicia, para que a sua função original seja mantida: A função de proporcionar a operação da máquina exclusivamente para aquilo que ele foi programado.
 
Com a nação brasileira é assim também que as coisas funcionam! É o Sistema Operacional Racismo que determinou e dita às regras do funcionamento do Estado Brasileiro. É o racismo que seleciona quem deve ou não concluir os estudos. É o sistema racismo que aponta os que devem morrer, os que devem se aposentar, entre outras definições. O racismo determina quanto de recurso será alocado na educação e na saúde. É o sistema operacional racismo que determina a intensidade da luz que se coloca nos postes dos bairros populares. Determina ainda, o horário e a frequência da coleta do lixo. É o racismo que especifica a política de segurança e a política alimentar. É o racismo que elege a imensa maioria dos representantes legislativos. É o racismo que versa sobre o judiciário, que pauta a política carcerária. O racismo está presente também no processo de formação intelectual e profissional das polícias, advogados, médicos…
 
Assim como o Windows, o racismo está presente em tudo, ele incide sobre os partidos políticos, sobre as religiões, sindicatos, associações. Não há nada que passe despercebido pelo racismo. Caso haja alguma ação, que vá de encontro ao racismo, imediatamente os elementos de defesa se manifestam, a máquina para. Logo, logo algum jurista formado pelo racismo encontra inconstitucionalidade em programas como cotas, bolsa família e outras ações afirmativas. Quando vamos de encontro a esse sistema a mensagem de -“uma ameaça foi identificada”-, é disparada e, os responsáveis pela manutenção desse sistema logo tomam as providencias necessárias. Se formos às ruas denunciar o estado, o sistema aciona o antivírus (policia) para destruir os focos de resistência. Quando insistimos em ações que nos tragam vantagem e combata o racismo, a máquina estatal para e o sistema se reinicia. Projetos de leis são engavetados ou voltam para serem redigidos no sentido de contemplar o sistema e seu status quo. Precisamos sair do sistema para combatê-lo. Precisamos de uma nova matriz que nos permita navegar pelo estado sem ser dirigido por seu sistema.

Joaquim Barbosa e o pecado de ser negro.


por Marcos Romao

foto:Fabio Pozzebom/Agência Brasil

Meu face deve ter um filtro que desconheço, em que estes arroubos racistas de meus amigos e amigas nunca aparecem.  Me alertaram e fui ver “face” de uma amiga e vi que o que ela escreveu sobre o Ministro Joaquim Barbosa é brabo mesmo.

Durante a ditadura de Vargas havia um negro chamado Gregório Fortunato que era o seu fiel escudeiro.  Capoeirista, forte ex-soldado constitucionalista de 1932, estava pronto pra sair na…  ou dar porrada em qualquer um que o mestre ditador mandasse.

Acabou-se a ditadura (a do Vargas) chamada Estado Novo, ele o Vargas voltou eleito pelos braços do povo em 1950  e foram descascando devagarzinho a imagem do presidente  popular,  sob o comando da caneta de Carlos Lacerda, até que o Getúlio se suicidasse.

Quanto ao seu fiel escudeiro, o Anjo Negro, gaucho, filho de escravos e comandante da guarda pessoal de Vargas, morreu em 1962 assassinado no presídio da Frei Caneca. Fora condenado à 25 anos de prisão como presumível mandante do atentado da Toneleiros em 1954.  Atentado em que Lacerda saiu levemente ferido e o capitão da aeronáutica Rubens Vaz foi mortalmente atingido.

Gregório Fortunato morre assassinado e seu caderno de anotações some na prisão. Mais um “arquivo” morto para a paz da história branca do Brasil.

As relações entre os brancos no poder e os negros aos seus lados, dariam algumas centenas de páginas na história do Brasil, caso não tivéssemos tantos historiadores daltônicos, apenas  interessados nos pontos de vistas da realeza.

Só prá começar vamos comparar a situação do magistrado Barbosa e a do soldado Fortunato que apesar de serem muito diferentes enquanto pessoas negras, ficam muito iguais quando observamos as relações entre pretos e brancos no Brasil.

Gregório havia se destacado na revolução constitucionalista de 1932 como soldado sob o comando de Bejamim Vargas, irmão do ditador, de confiança da clã dos Vargas portanto.  Daí,  nada mais natural para a época, do que colocá-lo em um posto de estrita confiança de um ditador. Um ditador que criara a lei dos 2/3 garantindo trabalho para os brasileiros em relação aos estrangeiros (inclua-se aí meia dúzia de negros saidos da recente escravidão) que a república velha abolicionista se esquecera de incluir em seus planos.

Getúlio Vargas em seu estilo paternalista soube muito bem vislumbrar a força que aquela “massa” negra esquecida lhe dava ao ver-se representada sempre ao seu lado,  através daquela “massa” humana que era o Anjo Negro Gregório Fortunato. Bem antes de Papa Doc, Getúlio compreendeu a força simbólica do Bicho-Papão Preto (Ton Ton Macoute) e como isto assustava o sono das elites brancas.

Não dá para eu afirmar se o Gregório era mais odiado pela oposição por ser preto ou por ser polícia, mas que ele incomodava por ser preto e com poder (mesmo que emprestado) em um periodo em que o apartheid racial era moda no Brasil, lá isso era fato. Também era fato que ele estava lá não somente porque era forte, mas porque era preto. Os “catarinas” nunca foram escolhidos para serem a guarda de confiança do Getúlio, a tarefa deles e dos Filintos Millers era dar porrada e aterrorizar pretos e volta e meia os comunistas. Para sua proteção pessoal, Getúlio sabia que nunca poderia contar com os “catarinas”. Getúlio, seu regime, seus governos e o que eles simbolizavam de progresso para época, necessitava dos negros. Gregório era um deles, Guerreiro Ramos também, mas isto é outro capítulo, mais democrático.

Quanto ao Lula e o PT terem escolhido Joaquim Barbosa para ser ministro do STF, é que não havia mais jeito para negro ficar de fora naquela casa. Não existem estatísticas sobre a cor do voto, mas por maior que fosse o PT, não teria cabido dentro do partido, tanto voto negro que o Lula e o Lula e a Dilma receberam para serem presidentes. Portanto nada mais natural que uma das casas mais reservadas para brancos ou quase brancos, que é o STF, além do Itamaraty é claro, na primeira oportunidade que aparecesse fosse nomeado um negro para o posto de ministro togado da Suprema Corte. Foi um ato de resposta justa a uma reivindicação dos movimentos negros brasileiros em todos os tempos, pois temos gente preparada para isto.

Barbosa Galgou o posto por merecimento e por estar no lugar certo e no momento histórico certo. Espero que não tenhamos que esperar mais 500 anos para que tenhamos de novo esta constelação favorável em nosso zodíaco politico negro.

Dois negros diferentes entre si em dois momentos históricos tão diferentes e  que  tornam-se tão iguais nos momentos em que a coisas esquentam.

A carreira de Gregório foi militar, seu maior posto, foi ser comandante da guarda pessoal de um ditador.  A carreira de Joaquim Barbosa é a de jurista, seu maior posto alcançado até agora é a de ministro do STF.  Os dois aos seus jeitos e às suas épocas cumprem seu papéis e são xingados e execrados não pelo que fazem ou deixam de fazer  mas sim pelas suas peles pretas. Que triste ironia para o racismo brasileiro, e esta pecha que não larga a pele do pensamento escravocrata que ainda domina da esquerda à direita o pensamento social brasileiro.  Sempre batem de cara com um fantasma negro nos momentos de mudança.*

Eu estava na minha, lia laudas e laudas de frases e comentários racistas em relação ao julgamento do mensalão, estava guardando para a minha coleção. Mas aí eu tou vendo que estão chegando perto demais. Uma amiga me alertou para o que escreveu outra amiga:

Sic “No meu sentir, o ministro J. Barbosa é um mentiroso, revoltado por ter nascido pobre e negro. Através desse julgamento tenta por todos os meios se afastar de suas origens. Ministro JB, o senhor não apagará suas origens, que tinha tudo para ser enaltecida, apenas acrescentará a ela um lado asqueroso e mesquinho.” Sic

Revoltado por ter nascido “pobre” e “negro” que quer se afastar de suas origens, leio. Qual da origens, me pergunto? Calando-se diante da corrupção estaria fugindo de suas origens pobres e de seus antepassados que comeram o pão que o diabo amassou para que ele chegasse ao posto que chegou-.  Ajoelhando-se agradecido diante dos poderosos estaria se “afastando” de sua origem e atualidade negra.

Negro revoltado, revoltado com o que? Com a impunidade? Com o tudo muda para continuar a mesma coisa? Ou sera que revoltado por saber que tanto faz que ele faça a coisa certa ou tanto faz que ele faça a coisa errada, ele será sempre xingado como um negro que não sabe se por em seu lugar?

Sentimentos, está aí uma coisa que eu respeito, mas devo respeitar o sentimento racista de uma amiga, que na falta de argumentos apela para a cor da pele para xingar a pessoa de opinião contrária? Me lembra um pouco quando criançanas horas em que eu perdia uma discussão para um grande amigo e não dava o braço a torcer,  dizendo que era opinião de maricas mesmo… ou quando já crescido ao ser vencido em um bate-boca com uma amiga, eu dizia que era coisa de mulher mesmo… Racismo, sexismo, classismo… andam sempre colados.

O Brasil está mudando  e está ficando mais transparente,  cada vez mais gente está se recusando a aceitar o jeitinho que os poderosos lhes oferecem, como uma dádiva e vendo que não passa de corrupção ativa em ato de ofício, o fato de exigirem subserviência até para emitirem uma certidão de nascimento cidadã.

Estamos aos poucos todos e todas tirando certidão de cidadania no Brasil. Esta “carteira” ainda vem com uma tarja  com a marca d´água do racismo, só se vê, se levantá-la contra a luz da consciência.

Muito bem fez o Lula em não procurar o relator Joaquim Barbosa, nem antes nem depois de iniciado o julgamento. Ele o escolheu por saber que o voto de milhões de negros e brancos do Brasil foram votos para que finalmente tivéssemos servidores públicos. Estes, quando cumprem seus papéis, realmente não tem cores.

Quem sabe se vivo fosse, Gregório Fortunato teria hoje, proteção para falar, graças a todos os que votaram e também não votaram nos Lulas.(  frase corrigida a pedido de leitores que pediu para acrescentar também os que votaram em outros candidatos ou candidata).

* Quando o Collor caiu, na falta de um preto para se colocar a culpa, nossa imprensa com sua imaginação ululante, descobriu a magia “NEGRA” na casa da Dinda, que teria deixado meio abilolado, o branquinho mais poderoso da época.

AKOBEN grita por uma política cultural honesta. Artistas negros entram com requerimento na Procuradoria Geral da República pedindo esclarecimentos ao Ministério da Cultura.


VENHA PARTICIPAR DESTA DEMONSTRAÇÃO. NÃO ACEITAMOS MAIS DESRESPEITO POR PARTE DOS GESTORES PÚBLICOS! ARTISTAS OU NÃO, SOFREMOS TODOS COM A MESMA FALTA DE TRANSPARÊNCIA!

NOS VEMOS LÁ! DIA 27/09/2012, 11 HORAS. PROCURADORIAPROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA, RJ. Av. Nilo Peçanha, 31, 6º andar, Castelo, Rio de Janeiro, RJ.

O AKOBEN, movimento criado pela classe artística negra que “grita” por uma política cultural honesta, inclusiva e verdadeiramente democrática, estará entrando na Procuradoria Geral da República, com requerimento solicitando à Fundação Nacional de Artes – FUNARTE, órgão vinculado ao Ministério da Cultura, esclarecimentos quanto ao processo de seleção dos projetos concorrentes no Edital de Ocupação do Teatro Glauce Rocha/2012 (1º semestre). Esta é uma ação coletiva que conta com uma Petição Pública assinada p

or diversos artistas, produtores e personalidades. Assine também! (http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2012N25245#)A falta de transparência comprometeu o Edital da FUNARTE. Foram impossibilitados de ocupar o Glauce Rocha 16 grupos negros com seus respectivos espetáculos; 10 oficinas para atores e bailarinos; 6 leituras dramatizadas; 6 depoimentos de atores e atrizes negros consagrados; além de 4 palestras sobre a História do teatro negro brasileiro e sua estética. Conforme publicado no site da FUNARTE (http://goo.gl/8GV3B), o projeto escolhido contava com apenas 5 espetáculos e 3 oficinas. Duvidamos, inclusive, se essa programação foi realmente cumprida.Os artistas prejudicados entraram com recurso, o qual confirmou o estranho resultado. O resultado deste recurso só se tornou público após a “invasão” de cerca de 40 artistas a FUNARTE.(http://youtu.be/jJjVqkbGitk)(http://wp.me/p4f0r-1v4)Apesar de confirmar os problemas existentes nas comissões julgadoras, o presidente da FUNARTE sr. Antonio Grassi — como que em uma teatralização napoleônica e contrariando a Lei de Acesso à Informação — baixou a portaria nº 120 de 14/05/2012, liberando a FUNARTE da responsabilidade de prestar informações sobre seus Editais. Triste piada com o dinheiro Público!
(http://ning.it/OCjfHR)VENHA PARTICIPAR DESTA DEMONSTRAÇÃO. NÃO ACEITAMOS MAIS DESRESPEITO POR PARTE DOS GESTORES PÚBLICOS! ARTISTAS OU NÃO, SOFREMOS TODOS COM A MESMA FALTA DE TRANSPARÊNCIA!

NOS VEMOS LÁ! DIA 27/09/2012, 11 HORAS. PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA, RJ. Av. Nilo Peçanha, 31, 6º andar, Castelo, Rio de Janeiro, RJ.

Saiba mais sobre o AKOBEN!
Perfil AKOBEN – http://www.facebook.com/joao.akoben
CURTA a página do AKOBEN – http://www.facebook.com/pages/Akoben/338184119604392

Links:
Petição Pública – http://www.peticaopublica.com.br/?pi=P2012N25245#
Eugenia Cultural por Hilton Cobra – http://youtu.be/dFQgFz5X1eE
Ida dos artistas a FUNARTE – http://youtu.be/jJjVqkbGitk
Companhia dos Comuns pede ao MINC transparência na distribuição de “Talentos”, o dinheiro do povo. http://wp.me/p4f0r-1v4
Cia. dos Comuns convoca artistas e militantes para Encontro sobre a Democratização do acesso à Cult… http://wp.me/p4f0r-1wF
Sobre a Portaria 120 da FUNARTE no Portal Luis Nassif: http://ning.it/OCjfHR

Depoimentos de artistas sobre o AKOBEN:
http://youtu.be/gJIoTcdwj2M
http://youtu.be/CnuLH5AhMm0
http://youtu.be/kcFN25_9fIE
http://youtu.be/6h2Dm-ASrxw
http://youtu.be/TTnxU_0Dx4g
http://youtu.be/Gaey-1mRH7o
http://youtu.be/FwbD5QrFjGY
http://youtu.be/jxSAUdVcHTE

Quilombo no Sacopã que é “Zona Nobre” não pode! Desembargadora embarga Cultura Negra.


Quilombo no Sacopã que é “Zona Nobre” não pode! Desembargadora embarga Cultura Negra.

Um relato de um leigo em jurisprudência “cultural carioca”

marcos romão

Como já dizia minha avó Georgina, negro quando está feliz não devia nem dormir, para não acordar e ver a cruel realidade em volta.

Publicado na Revista Raça

Nem completara uma semana da aprovação da lei, em 7 de agosto, que considerava a localização do Quilombo do Sacopã, como “Área Especial de Interesse Cultural”, pela Câmara de Vereadores do Município do Rio de Janeiro, quando nesta segunda feira à noite, Luiz Sacopã telefonou-me para comparecer à 18ª Vara de Justiça do Rio de Janeiro.

A Desembargadoria iria votar o RECURSO DE AGRAVO INTERNO impetrado pelo INCRA, órgão responsável pela demarcação dos quilombos no Brasil, contra a decisão de PROIBIÇÃO TOTAL DE EXPRESSÃO MUSICAL NO QUILOMBO SACOPÃ.

Às  9 horas da manhã de uma terça-feira 14, lá estávamos, Luiz, eu, Dr Tito Mineiro da OAB e o procurador do INCRA, Dr Diogo Tristão para assistirmos a Sessão  da Desembargadoria que iria julgar o mérito da participação do INCRA  como parte interessada no caso, e a remessa do processo para a Justiça Federal.

O que pude assistir foi uma peça digna de Kafka, ou melhor dizendo, um ato de expressão judicial próprio do banido da humanidade, digno do regime do Apartheid na África do Sul.

O desembargador Jorge Luiz Habib, relator do processo e que votara contra a participação do INCRA e pela manutenção do Veto Total às Expressões Culturais do Quilombo do Sacopã, iniciou a sessão e passou a palavra à desmbargadora Helena de Albuquerque, que havia pedido vistas do processo anteriomente.

A desembargadora Leila Albuquerque daria seu voto. Em meia hora de exposição de argumentos, demonstrou que teve tempo suficiente para ler o processo e provou a seus pares, e à pequena e tensa platéia, que esmiuçara com zelo toda a documentação que acompanhava o processo inciado em 1989.

Ao pedir ao desembargador que reconsiderasse seu voto, alegou entre outros motivos:

  • Que a sentença anteriormente proferida estava desde o início incorreta, pois ia além do pedido inicial, que era o de cessar as atividades de uma provável oficina de carros que funcionaria no estacionamento do Quilombo e regular as atividades culturais lá desenvolvidas.
  • Que a sentença anteriomente proferida feria os direitos constitucionais dos moradores do Quilombo do Sacopã, e os discriminava ao impedi-los de exercerem suas atividades culturais básicas, não os reconhecendo como parte integrante do bairro e com direitos iguais.

Neste momento pude perceber que o desembargador relator Jorge Habib ficou em dúvida, pois passou a procurar diante de nós o seu próprio voto, já que a argumentação da desembargadora Leila Albuquerque era clara e fundamentada ao relatar que a sentença contra o Quilombo do Sacopã era despropositada e fora dos preceitos jurídicos e constitucionais.

Entra então em cena a desembargadora Helena Candida Gaede. Demonstrando desconhecimento dos autos, pergunta aos seus pares: “onde é esse lugar?”, e folheando os autos lembra-se do local, “que era um terreno em que se realizavam pagodes que infernizavam os vizinhos” e “que ali não era local para tipo de gente“, pois “tempos atrás haviam mais duas outras famílias que foram removidas de área vizinha” e que próximo já funcionou uma boca de fumo e etc. Demonstrando que os autos não a interessavam muito naquele momento, e sim o que já ouvira falar à respeito.

Os contra-argumentos da desembargadora Leila Albuquerque e do desembargador Heleno Ribeiro(sem direito a voto) foram, ironicamente, que com estas medidas discriminatórias a Desembargadoria iria acabar mandando fechar as escolas de samba da cidade, pois ele mesmo mora ao lado da Escola de Samba Salgueiro, que faz barulho até as 3 da manhã.  Isto sem contar os clubes e as festas de rock da zona sul. A desembargadora Gaede não encontrou argumentos que justificassem sua objeção à existência do Quilombo do Sacopã na Lagoa além do seu gosto pessoal e repulsa ao samba. Indagada por seus pares do porque em Madureira e subúrbios pode haver “pagodes” e na Lagoa não, a desembargadora respondeu “que é para lá mesmo que os Quilombolas deveriam ir, pois lá as pessoas já estariam acostumadas”.

Nem a argumentação da desembargadora Leila Albuquerque,  de que a Constituição garantiria os direitos de expressão por parte dos Quilombolas conseguiu demover a irredutibilade da juíza desmbargadora.

A experiência com a discriminação racial  dos Quilombolas da Sacopã na justiça do Estado do Rio de janeiro  se comprovava. Eles já haviam ouvido desta mesma desembargadora o recado dado a um advogado, após uma sessão anterior: ” Está na hora dos negros ajustarem-se à cultura branca”.  Resta apenas recorrer à justiça federal.

Diante do ‘EMPATE TÉCNICO” e do desconforto causado pelas palavras ferinas da desembargadora Helena Gaede, que falava e olhava com desprezo para a pequena platéia, o desembargador relator  propôs que ela votasse “em desconhecimento” com o voto do relator.

Assim terminou uma manhã “clara” nos tribunais do Rio de Janeiro.

Saimos como sonâmbulos daquela sessão. Uma advogada e um advogado que lá estava por outra causa, nos acompanhou e demonstraram solidariade a Luiz Sacopã.  Nos disseram nunca terem presenciado nada igual.

Agora o relato de um advogado da OAB

Lamentável o resultado da sessão do TJRJ da 18ª Câmara Cível ocorrida nessa manhã (14 de agosto de 2012) às 9 horas da manhã,  que não conheceu do Recurso de Agravo Interno do INCRA, do respeitável Procurador Diogo Tristão nem considerou pontos essenciais e raciais outros que indicam o bom senso que deve prevalecer sempre nas decisões judiciais contra a PROIBIÇÃO TOTAL DE EXPRESSÃO MUSICAL NO QUILOMBO SACOPÃ. Em flagrante contradição com a recém LEI MUNICIPAL que considera o QUILOMBO SACOPÃ como Área de Especial Interesse Cultural do RJ, desde 07 de agosto de 2012. Apesar das brilhantes considerações da Desembargadora LEILA ALBUQUERQUE e considerações igualmente irmanadas com visão fraterna do Desembargador Heleno Ribeiro -infelizmente, assim não entendeu a Desembargadora Helena Cândida Lisboa Gaede,  que seguiu à risca o Relator Habib na injusta DECISÃO DA LAVRA DO DESEMBARGADOR JORGE LUIZ HABIB de PROIBIÇÃO TOTAL DA EXPRESSÃO MUSICAL NO QUILOMBO SACOPÃ . É sabido quem em tempos outros  os escravos não poderiam exprimir sua cultura a não ser nas senzalas às escondidas . Assim aos remanescentes quilombolas do QUILOMBO SACOPÃ – o primeiro QUILOMBO urbano do RJ , situado no metro quadrado mais caro da cidade do RJ (LAGOA) , fato que com certeza NEM SE IMAGINA PROIBIR nem se proíbe – festas dos condomínios luxuosos vizinhos – alguém ousaria?!.

POR 2 VOTOS A UM … FICA MANTIDA A PROIBIÇÃO JUDICIAL DE EXPRESSÃO MUSICAL NO QUILOMBO SACOPÃ derivada do Agravo 0049997-64.2011.8.19.0000, cujo Relator era o Desembargador Jorge Luiz Habib.

FUNCIONA INCRA E DEFENSORIA , *ACOMPANHA OAB/RJ  – ATRAVÉS DA COMISSÃO DE IGUALDADE RACIAL e amantes do direito.

AINDA CABE RECURSO,  E COM CERTEZA SERÁ BUSCADO EM NOME DA CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E SEUS PRINCÍPIOS DE IGUALDADE , DO ESCUDO QUE REPRESENTA O ESTATUTO DA IGUALDADE RACIAL (LEI IGUALMENTE FEDERAL) E DA MEMÓRIA DOS NOSSOS MUITO JUSTOS E MAIS VELHOS REMANESCENTES QUILOMBOLAS E DO RESGATE DA DIGNIDADE DE CADA BRASILEIRO E DA RESPOSTA POSITIVA QUE DEVERIA SINALIZAR A MÁQUINA JUDICIÁRIA NACIONAL QUE DURANTE SÉCULOS, HISTORICAMENTE COMO ENFOCA PINAUD (MALVADOS MORTOS), DEU SUSTENTAÇÃO VERGONHOSA AO ESTADO ATRAVÉS DA ANTI-CULTURA * QUE ESTABELECIA A ESCRAVIDÃO COMO LEI E O RESULTADO FRIO DOS TRIBUNAIS! Com certeza não deixaremos nunca o SAMBA MORRER , pois caso contrário não poderíamos ressuscitar O QUE AINDA NÃO FOI CONQUISTADO –  a PLENA  liberdade almejada.

Att. Tito Mineiro – Membro da Comissão de Igualdade Racial da OAB/RJ … Diretor do Sindicato dos Advogados do Estado do RJ.

Um exército de cervos comandado por um leão é muito mais temível que um exército de leões comandado por um cervo.
Plutarco

Quilombo do Sacopã Urgente mais uma vez! OAB-RJ acompanha “AGRAVO” no julgamento dos Direitos do Quilombo Urbanos


ATENÇÃO ATENÇÃO jornalista Romão e equipe… mobilizar URGENTE – AVISAR AO LUIZ … FAVOR COLOCAR NA LISTAS …
O julgamento na Justiça DO QUILOMBO SACOPÃ entrará em pauta amanhã na LAMINA III do TJRJ (Castelo – Erasmo Braga… SALA 245 = SALA DE SESSÕES DA 18ª CÂMARA CÍVEL , A PARTIR DAS 9 HORAS DA MANHÃ …
ISSO MESMO DIA 14 de agosto de 2012, Será votado o -Agravo- feito pelo Condomínio que ocupa parte do Qulombo contra a suspensão da liminar que impede atividades comerciais e culturais, no tradicional no Quilombo Urbano do Sacopã.
Este é um caso que já vem rolando há 11 meses desde que um desembargador, que por acaso é vizinho e parte no litígio, que se arrasta há 40 anos, mandou acorrentar os portões do Quilombo para impedir que uma companhia de táxi, utilizasse o estacionamento do quilombo do Sacopã, como área de apoio para seus motoristas. Veja matéria (Quilombo acorrentado)

Houve supensão da justiça do lacramento do Quilombo, mas com a condição de não desenvolverem ações culturais no local.

O Condomínio entrou com um recurso e foi pedido vista de processo pela desembargadora Leila Albuquerque, quando o relator indeferia o pedido do condomínio.

Enquanto isto o INCRA, responsável pela demarcaçãos dos Quilombos no Brasil, entrou com um agravo pedindo a transferência do processo contra o Quilombo do Sacopã para o foro federal.

Por uma extrema coincidência o processo judicial 0049997-64.2011.8.19.0000 (18ª Câmara Cível) entrou de novo em pauta no último dia 7, exatamente o dia em que a Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro, derrubou o veto do prefeito Eduardo Paez, ao projeto que agora é Lei que considera o Quilombo do Sacopã como “ÁREA ESPECIAL DE INTERESSE CULTURAL DO MUNICÍPIO”.

SÓ TOMAMOS CONHECIMENTO DO NOVO JULGAMENTO HOJE, SEGUNDA-FEIRA .

Resultado da votação na Cãmara de Vereadores

A Defensoria Pública já está nos autos em favor dos interesses do SACOPÃ – só para lembrar mais uma vez, estamos falando do caso de proibição de música e da tradicional expressão cultural do Quilombo SACOPÃ – A Grande feijoada- em uma proibição e decisão judicial retrógrada que fere frontalmente o Estatuto da Igualdade Racial e o bom senso fraternal no local sagrado, que inclusive ganhou na última de semana o status relevante de Área de Especial interesse Cultural – conquistado a ferro e fogo por em votação de 28 votos a 5.

Cotamos com a PRESENÇA organizada tal qual ocorreu na votação da Câmara Municipal do dia 07 de agosto último.

Atenciosamente. Tito Mineiro – Membro da Comissão de Igualdade Racial da OAB/RJ .

p/redação Marcos Romão

Luis Sacopã na revista RAÇA do último o mês