Jovens baleados na Palmeirinha são inocentes afirmam familiares e amigos


SOS Racismo Brasil e Rede Rádio Mamaterra apoiam Chaun Chambre, que está baleado e sob custódia da polícia com falsas acusações. Seu colega Alan, foi fuzilado pela polícia em mais um flagrante forjado.
Informações de nossa colaboradora Junia Silva Costa.
Cada vez mais os cidadãos defendem a dignidade e humanidade de seus amigos injustiçados”

 

Guadalupe News

No início madrugada deste sábado, 21 de fevereiro, policiais do 9º BPM (Rocha Miranda) estiveram na comunidade da Palmeirinha, dominada pela facção Comando Vermelho, em Guadalupe, dois jovens foram baleados, Alan era menor de idade e não resistiu, e, Chauan, 19 anos, foi baleado no peito e encaminhado ao Hospital Carlos Chagas, em Marechal Hermes.

Chauan tem 19 anos (Foto: Reprodução/Facebook)

A polícia disse que os jovens foram baleados em confronto e eram suspeitos de participarem do tráfico na comunidade. Porém, familiares e amigos dos jovens afirmam a inocência de ambos, Chauan vendia Mate na praia e Alan era ajudante de pedreiro, no momento que foram baleados pelos policiais estavam conversando no portão com outros dois amigos. Uma moradora da comunidade desabafou: “A polícia inverteu o caso, culpando os meninos que foram baleados. Eles eram inocentes, temos como provar… Estávamos sem luz, e, por isso, na hora do acontecido havia muita criança na rua, e eles estavam na frente da casa deles, eram meninos de bem. Mas, infelizmente, vivemos ameaçados, pois não podemos falar em público, a Record veio aqui e entrevistou parentes do garoto que veio a óbito, mas, infelizmente, não publicaram a entrevista inteira, cortaram partes que acusavam policiais, e na mídia os inocentes saíram como traficantes, e os PMs que fizeram a covardia saíram como mocinhos. Durante a madrugada, cerca de 4h da manhã, eles atiraram em um dos transformadores de energia do poste, em um dos que estavam funcionando, eles jogaram bomba de efeito moral na casa de uma moradora, o cheiro forte fez uma idosa e três crianças menores passarem mal, a mãe pegou as crianças nas mãos e saiu gritando que precisava socorrê-los e ao sair com os filhos os policiais jogaram bomba de efeito moral que chegou a atingi-los. É um absurdo o que fizeram, não é porque moramos em comunidades que somos bandidos, não é porque os meninos são negros que são traficantes. Não somos coniventes com o crime, mas, infelizmente, quem tem que nos proteger nos oprime e ficamos a ver navios. Gostaria muito que a nossa comunidade e os pais do menor morto pelos policiais fossem ouvidos.
É uma dor imensurável que estamos passando nesse momento, perder um inocente por um erro de policiais incompetentes,  vivemos um inferno,e não é a primeira vez que eles fazem isso, eles agrediram as pessoas que queria se aproximar para ajudar os meninos baleados, as cápsulas das armas estão com os moradores, temos como provar que não houve troca de tiros entre PMs e traficantes, os PMs que entraram atirando em morador e fazendo arruaça”.

Chauan é muito querido, seus amigos e familiares estão inconformados (Foto: Reprodução/ Facebook)

Chauan mora em Nova Iguaçu e estava na casa de uma tia na Palmeirinha, é membro da Igreja Batista Nova Filadélfia, está lúcido no Hospital Carlos Chagas, em Marechal Hermes, porém ainda não foi operado. Uma amiga do jovem publicou em uma rede social: “Tô precisando de alguém que possa ajudar o Chauan foi baleado na porta de casa e está no hospital CARLOS CHAGAS, ainda com a bala alojada no peito ele tá jogado em um canto do hospital sem assistência nenhuma porque tá dado como bandido… Por favor, me ajudem!”

Familiares pedem justiça (Foto: Reprodução/ Facebook)

Um primo de Chauan desabafou: “Meu primo ainda não foi operado porque o hospital Carlos Chagas, em Marechal Hermes, diz não ter vaga para opera-lo e também não faz nada por ele…e sendo tratado de forma inferior!!! Está algemado a cama e sem cuidado algum!!! Infelizmente, inocente aqui tem o tratamento que os culpados deveriam ter e não tem e nunca terão pelo visto.”

Ônibus incendiado na Avenida Brasil (Foto: Guadalupe News)

“Não somos a favor do que foi feito na Avenida Brasil, isso não é protesto pra nós da família e amigos”, disse um parente do jovem baleado.
Protesto, vandalismo e fechamento da Avenida Brasil. Veja em http://goo.gl/kAbOFM

Multikulti ist tot: Gruppe Afoxé Loni zum letzten Mal am Berliner Karneval


Afoxé Loni hat uns dieser Information geschikt: “Afoxé Loni® gilt als einer der schönsten, musikalisch anspruchsvollsten und mit seinen an die 200 TeilnehmerInnen auch größten Blocos beim Berliner Karneval der Kulturen. Die Geschichte von Afoxé Loni ist eng mit dem Karneval selbst verbunden: schon 1997 initiierten der Tänzer und Choreograph Murah Soares mit Krista Zeißig das Projekt, dessen musikalische Leitung der Percussionist Dudu Tucci übernahm. Traditionell eröffnet Murah Soares mit einem großen Straßen-Ritual den gesamten Berliner Karneval der Kulturen und führt diesen mit seiner Gruppe Afoxé Loni an. Schon vielfach hat die Gruppe den Berliner Karneval anderen Orts repräsentiert, etwa bei der Verleihung des Kritikerpreises im Berliner Schauspielhaus, bei der Expo 2000, aber auch in Tschechien, England, bis hin nach Mexiko und Korea. 2002 erschien die CD Afoxé Loni “Drums of Peace” von Dudu Tucci & Murah Soares.

In diesem Jahr nimmt die Gruppe Afoxé Loni zum letzten Mal am Berliner Karneval der Kulturen teil. Die Leiter von Afoxé Loni haben eine offizielle Presseerklärung abgegeben, in der sie die Gründe erläutern. Außerdem findest du auf unserem Presserklaerung noch viele Informationen zu den Entscheidungsgründen.”
Offener Brief – Presseerklaerung von AfoxeLoni

Murah Soares

Afoxé Loni despede-se do Carnaval de Berlim depois de 15 anos de suor, trabalho e alegria.
Razão: Falta de apoio financeiro das autoridades culturais locais. Segundo os fundadores do grupo de Afoxé Loni, a festa que traz milhões de euros para os cofres públicos e empresas hoteleiras, gastronômicas e turísticas da cidade, não reconhece o papel dos migrantes que deram cor e alegria à cidade, a transformando num modelo de multiculturalidade. Murah informa que este vai ser o último desfile e vonvida a todas e todos que quiserem mais uma vez participar de graça que se comuniquem com o link http://www.afoxe-loni.de/
Já pensaram se esta moda pega no carnaval carioca?

Acaba de sair o resultado das eleições pro Conselhão


Em entrevista coletiva sobre as eleições para o Conselho de Representantes do Brasil no Exterior (CRBE), com o Embaixador Eduardo Gradilone, Subsecretário-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior, ficou conhecido o resultado das eleições.
Aqui na Europa os eleitos foram:
Flávio de Carvalho ( Espanha)
Monica Pereira ( Bélgica)
Carlos Mellinger (Reino Unido)
Laércio Ribeiro da Silva ( Reino Unido )
Suplentes
1. Rui Pereira Martins (Suíça);
2. Else Ribeiro Pires Vieira (Reino Unido);
3. Ticiana César de Noronha (“Dra Ticiana”, Bélgica);
4. Hilton Boechat Júnior (Espanha).
Nós da Mamapress nos sentimos bem representados pelos escolhidos candidatos da rede, que defendem o mesmo que defendemos, trabalho de base, respeito à diversidade, laicidade em nossa atuação, criação de conselhos de cidadãos em todas as comunidades em que tenham brasileiros e levar as reivindicações de todos os brsileiros na europa para o governo brasileiro.
Foi uma vitória da democracia.
marcos romão

PLANTÃO CONSULAR DURANTE O SEGUNDO TURNO DAS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS DE 2010


PLANTÃO CONSULAR DURANTE O SEGUNDO TURNO DAS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS DE 2010
Para melhor atender os brasileiros que se deslocam de outras cidades para exercer o dever cívico do voto em Berlim, o Setor Consular da Embaixada funcionará no próximo dia 31/10, domingo, das 9h30 às 14h30, excepcionalmente, em regime de plantão para prestar serviços consulares.
O plantão atuará de forma semelhante aos consulados itinerantes, ou seja, recebendo documentação referente a passaportes e legalizações (para posterior processamento e remessa) e entregando certidões e atestados que tenham sido previamente solicitados.
Para maiores informações, leia atentamente:

EMBAIXADA DO BRASIL EM BERLIM
Plantão Consular
2º Turno das Eleições Presidenciais
DATA:
31 de outubro de 2010, domingo
Horário: 09h30 às 14h30
LOCAL:

Setor Consular da Embaixada do Brasil em Berlim
LEIA ATENTAMENTE TODAS AS ORIENTAÇÕES

O plantão destina-se principalmente ao atendimento de solicitações de serviços para os quais, normalmente, é necessário comparecer ao Setor Consular para assinar documentos.

O atendimento será das 09:30 às 14:30 horas.

Para os serviços prestados pelo plantão, o pagamento poderá ser efetuado das seguintes formas:
1) transferência bancária, realizada, no máximo, até o dia 25.10.2010, para a conta do Setor Consular (Banco: Commerzbank; Número da Conta: 2677979; Código do Banco (BLZ): 10040000); ou
2) pagamento no dia do atendimento, com cartão de débito (EC-Karte).

Sem medo de ser feliz e sem perder o senso crítico


Nós da Mamapress estamos com Dilma, pois não perdemos nosso senso crítico.
Estamos todos a aprender os caminhos da democracia, e vamos lutar, para que com Dilma no governo não tenham mais cumpichadas nem maracutaias.
Que haja transparência nas relações institucionais e que acabem com o apadrinhamentos partidários.
Que os postos no governo sejam ocupados por pessoas competentes, honestas e ligadas a todo ao povo brasileiro de todas as classes.
Que não tentem atrelar o movimento social em suas várias expressões.
Que respeitem todas as matizes religiosas, e mantenham o princípio laico da república brasileira.
Que se incentive a economia solidária em que todos tenham oportunidades de serem felizes, com seu talento e trabalho!
E principalmente que não se dê mais chance aos “Dirceus” da vida.
O resto deixem conosco e que não tentem nos calar a boca!
Pois estaremos entre o primeiros a grita quando houver cerceamento das liberdades democrática conquistadas com sangue e suor de nossa gente.

Das ist unser Haus



Eine Demonstration gegen die hamburger Kulturpolitik.
Der Etat des Schauspielhauses soll gekürzt werden, es droht dessen Schliessung.
Das Altona Museum wurde schon auf Grund von Einsparungen geschlossen.
Ganz Hamburg ist betrfoffen von den Sparmassnahmen der hamburger Senatoren, vor allem jedoch die finanziell und sozial Schwächeren leiden unter diesen.

O estado, ainda, não produz soluções políticas para conter o genocídio da infância e juventude.


Arisia Barros, representante do movimento negro na Coordenação Organizadora Estadual e Projeto Raízes de Áfricas da Ong Maria Mariá de Alagoas

A mamapress recebeu e encampa as idéias emitidas por Arisia neste artigo publicado no blog “Raízes da África”, que publicamos sem maiores comentários, pois o assunto está tão na cara que ninguém que governa no Brasil o vê.
por Arísia Barros

Tinha exatos 16 anos, pequena, magra, semi-analfabeta, ainda uma menina, mas já cometera dois assassinatos. Era negra a menina que já cometera dois assassinatos e trazia preso no sorriso a inocência perdida entre o porto da fome e a ausência do afeto, como parentesco próximo. Negra,como quase todas as outras meninas em processo de “ressocialização”.
Era uma população de meninas segregadas e vitimizadas pela geografia das muitas violências: pobreza, tortura, abuso sexual, escravização e abandono. Eram reféns da indiferença social.
Armazenavam sonhos e revoltas. Quando a revolta entrava em combustão, incendiavam os colchões nos quartos insalubres em que viviam como a deportar a natureza atávica da ausência de afetos.
As sobreviventes continuam a percorrer os caminhos entre a tal “ ressocialização” patrocinada pelo estado, o pânico social e a retomada a criminalidade. Pão e circo. Todas náufragas, à deriva de medidas paliativas.
O estado, ainda, não produz soluções políticas para conter o genocídio da infância e juventude.
Segundo alerta o mais recente levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a cor dessa juventude que é riscada do mapa social é em sua maioria negra.
Ao não produzir soluções políticas o estado estabelece as fórmulas para a guerra civil e o extermínio de um grande percentual de jovens. Matam e morrem.
Durante toda sua infância, a menina fora brutalizada pela selvagem ejaculação do padrasto que memorizava em seu corpo os caminhos do total desprezo pelos sentimentos alheios.
O homem dizia que amava a menina e a espancava. A mãe desprezava essa menina por ter ser envolvido com seu homem e também a espancava. A mãe a queria morta. Chorava em vários colos femininos o amor materno que nunca tivera.
Na primeira possibilidade de liberdade a menina fugiu e efetuou seu primeiro crime. A menina cultivava em si o monstro da autodestruição. A menina tinha ódio do padrasto e “raiva” da mãe. Esse era o mundo da menina. A menina cultivava em si a identidade da violência como herança maldita da patologia social.
Pobre, pequena, semi-analfabeta e preta a menina era invisível para a sociedade e o mundo da criminalidade arrebanhou um novo cérebro.
A indiferença social impôs a essas meninas, quase mulheres, o exílio em um outro país: o da agressão como parâmetro para a sobrevida .
É incômodo falar dessa menina que caiu morta em um confronto, antes mesmo de completar 18 anos. Tinha nome de santa da igreja católica, mas morreu anônima e pagã da solidariedade humana.
Morreu no mesmo anonimato em que viveu. Anonimato como símbolo da miopia institucional que não “percebe” o genocídio generalizado que vem arrastando a população de jovens, em sua grande maioria pobres, semi-analfabetos e pretos, para vidas sem esperança de futuro.
São clandestinas, as meninas, no discurso político demagogo do estado que se exime da responsabilidade de salvaguardar os preceitos constitucionais da vida humana e possibilitar a cidadania de todas as pessoas.
Estamos tod@s nós assistindo, comodamente, a um novo holocausto: colonialismo, racismo e morte.
fonte: Raízes da África.