Racismo à brasileira é tão escorregadio quanto sabonete usado em loja da moda


Racismo preventivo ou uma forma moderna de ser racista.:
Loja racista acusa vítimas e faz BO, por possível calúnia, para se prevenir de possíveis acusações de racismo.
Acusados de terem roubado um sabonete usado no banheiro da loja Choix em São Paulo, pequeno grupo de negras e negros, são interpelados na porta da loja, reclamam de racismo, e agora recebem uma acusação por injúria, lavrada em delegacia policial.#mamapress
Abaixo a reportagem da Buzzfeed relatando o ocorrido:
Aline Ramos
Aline Ramos

Na noite da última quarta-feira, dia 21, três jovens foram vítimas de racismo na loja Choix, localizada na região dos Jardins, em São Paulo. Eles participavam do evento de lançamento da coleção Casasola Jeans.

Reprodução / Instagram

Os jovens relataram ter chegado e entrado na loja sem problemas para o evento, que havia sido divulgado nas redes sociais. Eles haviam recebido brindes e até um tour pelo local. Após cerca de uma hora, os três estavam do lado de fora da loja quando foram abordados por um funcionário, que disse ter sido informado que havia sumido um sabonete do banheiro.

instagram.com

Os jovens foram questionados a respeito do sabonete pelo gerente da loja.


Em sua defesa, S., uma dos jovens, falou para o funcionário que ele estava sendo racista por ter insinuado que os únicos negros presentes no ambiente seriam os ladrões (de um sabonete usado).

Então, uma mulher que se identifica como amiga da loja se aproxima da discussão de maneira exaltada e argumenta que o episódio não pode ser classificado como racismo, já que a loja é “gay”.


Depois, ela argumenta que não poderia ser racista porque tem dois negros (que foram adotados para “dar oportunidade”) na família.

A mulher prossegue dizendo: "É ridículo de vocês acusarem uma coisa dessas, porque eu tenho dois primos-irmãos que eu trato de igual pra igual, que são negros"

O vídeo pode ser visto aqui:

Facebook: video.php