O MINISTÉRIO PÚBLICO-RJ E O POPULISMO DE DIREITA IMPORTADO DA ÁUSTRIA


Segurança Pública como direito fundamentalPor Marcos Romão
Pessoalmente vejo na ementa deste seminário, “Segurança Pública como Direito Fundamental’, a tentativa de institucionalizar através do MPRJ, as campanhas de ÓDIO e INTOLERÂNCIA, que toda a sociedade brasileira tenta coibir nas redes sociais, nas ruas e instituições do Brasil.
Ao dar o púlpito e a palavra a quem combate a democracia e clama por um estado autoritário, o Ministério Público, criado para defender os direitos fundamentais de TODOS os cidadãos, assume posições ideológicas contrárias aos direitos humanos, o que não deveria ser o seu mister e missão. A carta dos direitos humanos foi criada em 1948 para  garantir os direitos fundamentasi de todas as pessoas do mundo, contra governos que agissem acima da lei ou nas palavras de João Pitta, em Pensamento Contemporâneo:

”DIREITOS HUMANOS NÃO EXISTEM PARA DEFENDER BANDIDO. EXISTEM PARA IMPEDIR QUE O ESTADO SE TORNE O BANDIDO”O-NAZISMO-E-O-HOLOCAUSTO-696x542


A sociedade quer paz e não mais fomento ao ódio, incentivado e realizado por um grupo, com extensão e infiltração em todos poderesinstitucionais do Brasil, que segue a regra do “prende e arrebenta” e que tanto mal tem causado ao país, ao incentivar uma guerra insana em que as vítimas somos todos nós, cidadãos comuns ou cidadãos que trabalham para manter a ordem.
Incentivam e propagama uma guerra sem fim, em que o encarceramento em massa de pretos e pobres, cria uma escola perpétua do crime, que gera um espiral de violências e ódios e apartheids que já não têm mais controle. Todos têm medo de todos.

220px-Jörg_Haider_28082008

Jörg Haider

O MPRJ não esclarece em sua NOTA DE ESCLARECIMENTO, porque aprovou esta ementa com propostas de discussão, que são quase cópia dos programas partidários de partidos populistas de direita da Europa, tais como o “Front Nacional da França” e o “AFD da Alemanha”, inspirados pelo falecido astríaco,  Jörg Haider, líder de extrema direita que cunhou a ‘nova língua” neonazista, que tudo inverte e torna o certo errado através de propaganda, que de uma maneira ferina o juiz defensor da democracia, João Batista Damasceno resume em seu perfil do no Facebook, sobre a ementa deste seminário plataforma da extrema direita brasileira, a ser promovido pelo MPRJ em setembro 2017:

SEMINÁRIO SEGURANÇA PÚBLICA

Tema 9:

“Como convencer que uma execução é legítima

defesa“.”

 

nota de esclarecimento
Também não esclarece em sua nota, porque convidou para palestrantes defensores do autoritarismo e intolerância, justamente em um Estado, como o Estado do Rio de Janeiro, que precisa de mais bombeiros e menos incendiários, que jogam uma parte da população mais abastada, contra a maioria que pouco tem.
Com a nota de esclarecimento do MPRJ, fica-me a impressão de que querem insuflar uma guerra e não o diálogo democrático.#marcosromaoreflexoes

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s