Quando as vítimas falam: Os parentes dos 5 mortos em Costa Barros vão para a Central do Brasil


Familiares dos 5 jovens negros assassinados pela PM em Costa Barros em manifestação na Central do Brasil. foto: José Andrade

Familiares dos 5 jovens negros assassinados pela PM em Costa Barros em manifestação na Central do Brasil. Foto:Jose Andrade

por Bruno Rico

Essa foto resume bem o ato desta quinta-feira, que foi realizado na Central do Brasil. Mais uma vez os pais das vítimas tiveram voz, falaram para a imprensa, falaram para a população, choraram, desabafaram e viram que não estão sozinhos, por mais que o governo insista em tratá-los como nada.

Se o seu Natal vai ser de boa com a sua família, bom pra você; mas esses pais irão passar sem seus filhos, que foram assassinados pelo Estado e ignorados pela grande maioria da sociedade, e eu nem preciso dizer o porquê.

Aprendi que na vida cada um luta pelo que acredita, e eu tenho várias lutas, e essa sempre será uma delas, dar voz pra quem é sempre silenciado.

Essa semana descobri que eu sou do Psol, hoje descobri que sou do PV, e que recebi dinheiro de partido político para fazer o ato de Madureira, depois eu vou procurar essas carteirinhas e esse dinheiro, talvez eu tenha perdido aqui em casa.

Esses boatos só mostram que estou no caminho certo, pois estou incomodando muita gente que não acredita em uma luta apartidária, independente e totalmente do povo, pelo povo, essa galera tá queimando a língua; Eu quero é mais, cada um nasce com uma missão, a minha é incomodar!

Hoje eu recebi os cumprimentos do Seu Carlos, pai do menino Carlinhos, menino de 16 anos, morto na chacina de Costa Barros, ele disse pra eu continuar na luta, continuar puxando esses atos, pois o governador só atendeu os familiares por causa desta mobilização social, e ele fechou falando que está comigo porque eu estou com ele; e ouvir isso de um pai que acabou de perder um filho, da forma que perdeu, é sem palavras.

Muito obrigado a quem esteve presente. Em Janeiro teremos algo grande, já estamos nos organizando para fazer um evento impactante e conscientizador, pois a luta jamais poderá parar, o povo preto continuará morrendo, o favelado continuará morrendo, e se a gente não gritar, ninguém vai fazer isso pela gente. Por isso que é nós por nós, sempre.
Nem um passo para trás, nem para tomar impulso.

Nota do redator da mamapress:

Não esmoreça caro Bruno Rico, meu coração está consigo e todos os pais e mães que perderam seus filhos vítimas da brutalidade policial. A saúde e o meu tratamento tem impedido que esteja com vocês cerrando fileiras nas ruas. Em janeiro espero estar com vocês. Acompanho e apoio cada passo desta luta de forma virtual na Mamapress, que defende a luta autônoma e independente de nossas populações. Delanir CerqueiraCarlos JuniorJosé De Andrade e Adelia Azevedo tem me botado a par desta brava luta.
Você está no caminho certo, nosso povo, os pais e as mães estão no caminho certo. Só serão ouvidos se falarem por si mesmos, sem tutelas e sem “aparelhamentos”. Quem quiser ajudar que ajude, mas no apoio e na retaguarda e não no se apropriarem para outros fins, das bandeiras de nosso povo violentado.

Anúncios

2 pensamentos sobre “Quando as vítimas falam: Os parentes dos 5 mortos em Costa Barros vão para a Central do Brasil

  1. Pingback: “Surge nec mergitur”, quer dizer: ” Apareça, não se esconda”. Ou quando Conselho de Defesa do Negro foi falar com Pezão | Mamapress

  2. Pingback: A invisibilidade da “voz” negra na crise brasileira. | Mamapress

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s