O massacre aos operários de Volta Redonda-Nove de Novembro de 1988- William, Walmir, Barroso: Presentes!


José Geraldo da Costa estava lá e nos relata os cruéis acontecimentos na verdadeira “Noite dos Cristais”, que foi o massacre dos operários da Siderúrgica de Volta Redonda, que foi o sinal inicial para a sua privatização.

“Somos testemunhas ocular desta repressão a classe operária em Volta Redonda. Estávamos na Assembleia que se realizava de forma pacífica, até que estourou a primeira bomba como se fosse um código, aí o que se viu depois foi uma terrível repressão dentro e fora da CSN, pessoas que estavam em pontos de ônibus, voltando do trabalho e das escolas foram espancadas, as lojas foram invadidas, vidros quebrados…Volta Redonda virou uma praça de guerra durante o resto da noite e madrugada inteira….Junto a outros populares conseguimos refúgio na Cúria Diocesana e por volta das 23:00 começaram a chegar noticias do saldo da repressão e das mortes dos Metalúrgicos… Daí fomos em comboios para o Sindicato dos Metalúrgicos… Não fui para casa, pois temi pela minha própria segurança…”

A Unidade Classista, corrente sindical e operária coerente com seus princípios, soma-se ao conjunto de entidades na preservação da memória dessa importante jornada de luta operária em Volta Redonda. O Nove de Novembro de 1988 constituiu-se, ao longo de seus 27 anos, uma importante referência para todos os trabalhadores do Brasil e adquire um significado maior, principalmente em um momento no qual, a pretexto de uma crise econômica mundial pela qual não somos responsáveis, novos ataques e chantagens são organizados contra os trabalhadores.
No dia 4 de Novembro de 1988, em uma Assembleia, os metalúrgicos da CSN decidiram por uma greve pacífica em que reivindicavam reajuste salarial com base no DIEESE, readmissão de demitidos no ano de 1987, Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) eleita pelos trabalhadores, jornada semanal de 40 horas e a implementação do turno de 6 horas. No dia 07 de Novembro começou a paralisação.
No dia 09 de Novembro, o Exército iniciou a repressão dentro e fora da CSN, tendo como trágico resultado a morte de três metalúrgicos no interior da empresa: Carlos Augusto Barroso, de 19 anos, Walmir Freitas Monteiro, 27 anos, e William Fernandes Leite, 22 anos, além de muitos feridos.
Após a repressão do Exército, a greve foi mantida, porém como resposta, o Ministro da Indústria e Comércio, ameaçou fechar a CSN. No dia 22 de novembro a população deu um abraço simbólico na CSN e no dia 24 de Novembro, em assembleia, os metalúrgicos decidiram pelo fim da greve.
Em relação às mortes ocorridas em 9 de Novembro de 1988, ninguém foi considerado culpado e as denuncias feitas pelo Ministério Público foram rejeitadas. O General José Luís Lópes da Silva, comandante da invasão, tornou-se Juiz, pois foi indicado Ministro do Superior Tribunal Militar em 1990 pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.
As Agressões Continuaram
A repressão não parou por aí: o Memorial 9 de Novembro, construído em homenagem aos operários mortos, projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer e inaugurado em 1 de Maio de 1989, foi dinamitado na madrugada do dia seguinte. Essa atitude demonstrou até onde estava disposta a ir a repressão e se constituiu como uma afronta direta ao recém instaurada processo de redemocratização que o país atravessava. Os moradores de Volta Redonda acordaram perplexos e indignados com mais essa arbitrariedade. Os fantasmas da ditadura rondavam e demonstrando que estavam determinados a continuar as agressões contra as lutas operárias. O Memorial 9 de Novembro foi reerguido pelos próprios metalúrgicos de Volta Redonda e reinaugurado em 12/08/1989.
As pressões contra os trabalhadores da CSN e contra o povo da cidade não pararam por ai. Com a eleição de Fernando Collor para Presidente, novas demissões ocorreram e foram preparadas as condições para a sua privatização.
A Privatização da CSN
A privatização da CSN foi aprovada em 11 de junho de 1992 pelo PND, Plano Nacional de Desestatização. O seu Edital de venda foi publicado em 9 de outubro de 1992 e, após o Decreto Federal 724, de 19 de janeiro de 1993, sua venda foi realizada em 02 de abril de 1993 pela metade do valor que ela havia sido avaliada na época, ou seja, pelo preço mínimo de R$ 1,2 bilhão. 
Outra grave situação marcou esse processo, pois todo território da União em nome da CSN foi incluído no pacote de sua venda, resultando que parte expressiva do território de Volta Redonda, patrimônios nos estados de Minas Gerais, Santa Catarina e São Paulo, passaram a ser propriedades do consórcio de empresas que arrematou a CSN. Em Volta Redonda, a Fazenda Santa Cecília, os terrenos do Aero Clube, as terras ao longo da Rodovia dos Metalúrgicos, Imóveis como o Escritório Central, o Posto de Puericultura e diversas áreas residenciais e comerciais também constam dessa lista. As constantes demissões, chantagens, condições inseguras de trabalho e aumento de acidentes fazem parte de uma realidade que se agravou com a privatização. Toda cidade sentiu esses reflexos, constatados em problemas como o aumento da violência, suicídios, conflitos por moradias e desempregos.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s