Haitiano é espancado até a morte por grupo de pessoas em Santa Catarina


A vítima estava indo a uma festa com a esposa e amigos quando sofreu o ataque Foto: Reprodução / Facebook

A vítima estava indo a uma festa com a esposa e amigos quando sofreu o ataque
Foto: Reprodução / Facebook

fonte: ZH Notícias

A Polícia Civil de Santa Catarina investiga um suposto crime de ódio ocorrido na cidade de Navegantes neste fim de semana. O haitiano Fetiere Sterlin, 33 anos, foi atacado e morto a facadas por um grupo de cerca de 10 pessoas na noite de sábado. A vítima chegou a ser socorrida pelo Corpo de Bombeiros da região, mas acabou falecendo antes mesmo de dar entrada no hospital da cidade.

— O boletim de ocorrência foi feito como latrocínio, mas a hipótese mais forte é crime de ódio. Na verdade, teria começado com isso e depois de tornou latrocínio. Já ouvimos algumas testemunhas e no decorrer da investigação vamos apurar a motivação — explica o delegado Rodrigo Coronha.

Ônibus com 28 imigrantes haitianos chega a Porto Alegre

O haitiano e a mulher, que é brasileira, estavam indo a uma festa no bairro Nossa Senhora das Graças junto com quatro amigos, também de nacionalidade haitiana. De acordo com a esposa, Vanessa Nery Pantoja, três homens passaram de bicicleta pelo grupo gritando palavrões em crioulo — língua falada pela maioria da população haitiana — entre eles “macici” que significa homossexual.

— O meu marido disse apenas ‘macici’ são vocês. Isso foi motivo para eles o jurarem morte. Uns 10 minutos voltaram em umas 10 pessoas e foram pra cima da gente — conta.

Com autorização da Justiça, haitianos se casam em Lajeado

Vanessa explica que o grupo, composto por vários adolescentes, retornou com facas, uma pá e outras ferramentas para agredi-los. Segundo ela, os agressores também levaram seu celular, que estava com o marido no momento do crime.

— Quando eu cheguei perto do meu marido, ele já estava em uma poça de sangue. Daí alguns populares ligaram para os Bombeiros. Ele morreu na ambulância depois de várias paradas respiratórias — afirma.

Sterlin teve ferimentos no braço, peito, abdômen, rosto e costas, segundo os Bombeiros. Outro haitiano que estava com ele também ficou ferido durante o ataque, porém sem gravidade. Os demais conseguiram correr ou se proteger das agressões.

Sem documentos, haitianos ganham autorização da Justiça para casar

Logo após o crime, deu entrada no hospital um adolescente de 16 anos ferido no joelho. Segundo a Polícia Militar, ele teria sido atingido durante uma briga no mesmo bairro. O jovem foi encaminhado à delegacia e reconhecido por Vanessa como um dos envolvidos na briga.

A Polícia Civil informou que o adolescente foi ouvido e liberado. Segundo o delegado Coronha, o jovem teria negado as agressões, porém seu depoimento foi contraditório. Os demais envolvidos no crime ainda não foram identificados.

Xenofobia teria motivado crime, diz esposa

Para a esposa Vanessa, o crime foi totalmente xenofóbico. Conforme a mulher, Sterlin não tinha desavenças e sequer conhecia as pessoas que o agrediram. Ela explica que o marido era muito tranquilo e trabalhava como isolador naval em um estaleiro da cidade. Os dois se conheceram há dois anos e, desde então, estavam morando juntos.

— Ele era muito correto, nunca teve uma discussão. Mas é muito comum eles (haitianos) serem ofendidos na rua, só que nunca chegou a esse ponto. Queremos que essas pessoas sejam presas. A Polícia Civil está nos dando todo apoio necessário — diz.

“Brasil tem mais discriminação”, diz haitiano hostilizado em vídeo em Canoas

O diretor da Associação de Haitianos de Navegantes, João Edson Fagundes, disse que uma ocorrência grave como esta nunca foi registrada na cidade, onde cerca de 250 haitianos estão residindo.

— De maneira geral, somos bem recebidos pelos brasileiros. Eles tiveram a infelicidade de cruzar com essa gangue. Vamos buscar justiça para que isso não fique impune — garante.

O sepultamento do corpo de Sterlin deve ocorrer em Navegantes, mas ainda não tem data prevista. Como a vítima não era casada oficialmente, apenas um parente de primeiro grau pode fazer a liberação do corpo no Instituto Médico Legal.

Anúncios

4 pensamentos sobre “Haitiano é espancado até a morte por grupo de pessoas em Santa Catarina

  1. Pingback: FETIERE STERLIN / OPERARIO – 33 ANOS / FACADAS / SC, NAVEGANTES | QUEM A HOMOTRANSFOBIA MATOU HOJE ?

  2. que absurdo,isso vem acontecendo direto no nosso pais.esses delinquentes tem que ser punido , preso, trancafiado atrás das grades, nunca mas ser solto,se não vai continuar matar gente inocente, porque não mata bandidos! mata gente do bem.eles estão aqui no Brasil porque não tiveram escolha,veio para ter uma vida decente , honesta, os Brasileiros mata…vieram para não morrer no seu pais de origem da sua pátria; para morrer aqui…É muito triste…. Lamento muito

  3. Pingback: Haitiano é espancado até a morte por grupo de pessoas em Santa Catarina | Hawaiianbless's space

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s