Sou mãe de filho morto, dona!


por Arísia Barros

Monumento da Mãe Preta Foto: Diadorim Ideias/Isabela Kassow

Monumento da Mãe Preta
Foto: Diadorim Ideias/Isabela Kassow

Ela senta do meu lado, no banco do ponto de ônibus, e pergunta:

– Não é a senhora aquela dona que apareceu no jornal da televisão falando sobre  a morte de negros?

Sim- respondi- sou eu. E fico matutando sobre o poder massificador da mídia.

Ela vai falando sem reticências:- Eu sei do que a senhora fala, mataram meu filho e quase ninguém chorou pela morte dele. Eu que sou a mãe, sei a falta que ele vai fazer na minha vida. Era o meu único filho homem, dona. A polícia diz que ele era traficante, mas, eu disse e continuo dizendo que isso é mentira.

Meu menino era trabalhador, me ajudava com os irmãos e estudava a noite e quando aescola não estava em greve, não perdia uma aula. Precisava ver que letra bonita ele tinha.

Era cheio de sonhos, o meu menino, queria ser advogado. Dizia que ia defender-de graça- todos os pobres da grota que  a gente mora.

Lá na grota falta tudo, Dona, água, muitas vezes  falta comida e quase sempre falta sossego, quando a gente fica sem as coisas para dar os filhos  o juízo queima e dá uma  agonia… Aí quando meu filho me via aperreada arrumava uns bicos, além do trabalho de entregador: limpava chão,  recolhia lixo só para arrumar uns trocados e  me vê feliz.

Toda vizinhança conhecia meu filho e  pode falar a mesma coisa dele.

Era um menino de ouro, o homem da casa, e agora sou mãe de um filho morto.

Mataram meu filho, Dona, porque ele era preto e morava na Grota, até tapa na cara levou e depois  encherem de tiro.

Interrompo o desabafo-relâmpago e pergunto-lhe: Quantos anos tinha seu filho?

– Ia fazer 14 agora em maio- responde.

As lágrimas secas transbordavam no tremor da voz daquela senhora, que  após o desabafo, apressou-se- enxugando as lágrimas com as costas das mãos- para apanhar o  coletivo que a levaria à casa. Deu-me  um ligeiro   aceno e partiu.

A máquina genocida em Alagoas continua moendo os corpos invisíveis dos pretos, preferencialmente nas senzalas urbanas!

O racismo aprisiona. O racismo fere. O racismo mata.

Sou mãe de filho morto, dona!

fonte:Raízes da África

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s