50 mil foram às ruas do Brasil na II Marcha Nacional Contra o Genocídio do Povo Negro. Reaja ou será morta. Reaja ou será morto!


por marcos romão

Designer> Luiz Carlos Gá

Designer: Luiz Carlos Gá

Com a presença impressionante,  em sua maioria,de jovens mulheres negras, mais de 50 mil pessoas foram para rua protestar contra o genocídio de juventude negra brasileira no último dia 22 de agosto.

Milhares de pessoas protestaram contra as mortes diárias de nossos jovens em Salvador – BA, Rio de Janeiro – RJ, São Paulo – SP, Porto Alegre – RS, Vitória – ES, Belo Horizonte – MG, João Pessoa – PB, Brasília – DF, Manaus – AM, Fortaleza – CE, Vitória- ES, Porto Velho – RO, Maceió – Al, Rio Branco – AC e outras capitais além de várias cidades pelo país afora, em Marcha convocada por várias organizações negras e contra o racismo, que desatreladas das conveniências institucionais, partidárias, religiosas ou econômicas, resolveram dar um basta aos assassinatos oriundos de uma guerra genocida contra o jovem negro, comandada pelos que controlam os poderes na sociedade brasileira. 

Espírito Santo-foto andré alves

Espírito Santo-foto andré alves

 

Não houve gás de pimenta, nem bombas de gás lacrimogêneo, nem balas de borracha ou de aço, assim como não houve a presença da grande imprensa, ocupada com o que acontece em Ferguson, EUA. Para o racismo no Brasil, os intelectuais brancos e a grande imprensa, especializados em racismo lá fora, racismo no Brasil não existe. Para eles racismo só acontece quando alguém é maltratado em alguma loja. A verdadeira epidemia que se transformou a morte de jovens negros, só merece destaque nas páginas policiais, que incentivam estes assassinatos.

Dispensamos a violência policial em nossas manifestações, pois desde 1978 que nossa dignidade cidadã de negras e negros vence o ódio racista quando saímos às ruas.

Rejeitamos a violência em nossas manifestações porque vivemos debaixo da violência. A cada mudança na política de segurança nos estados do Brasil, sabemos que vai sobrar para nós, negras e negros. Nós sabemos que somos o alvo escolhido como inimigos internos da política de Segurança Nacional.

Não precisamos sair às ruas com pedras nos bolsos, pois sabemos que nós somos a pedra, nós somos a arma. Sabemos que nós somos a prova do crime que é a nossa existência. Mostramos as armas de nossa dignidade quando saímos nas ruas. Isto não cabe na pauta dos grandes meios de comunicação, simplesmente não encaixa no estereótipo do negro que as academias de comunicadores despejam todos os dias nas mentes de nosso povo brasileiro.

Saímos nas ruas, a juventude negra dos 8 aos 80, saiu nas ruas. Cada dia a mais que uma negra ou um negro vive, nós podemos contabilizar como uma vitória de persistência coletiva e aprendizado de sobrevivência em uma guerra  contínua contra nossa existência nesta República chamada Brasil, o paraíso dos racistas de todo o mundo!

Rede Radio Mamaterra, e o SOS Racismo Brasil, receberam e continuam recebendo fotos e depoimentos de todo o país. Fizemos um arquivo inicial para que este dia 22 de agosto de 2014 fique em nossas memórias:

“20 de agosto

Bom dia,

Dia 22 é um dia de irmos para ruas, tomar as ruas nesses dia é de fundamental importância para dizemos para essa sociedade – NÓS NÃO IREMOS MORRER CALADXS -, e é nesse espirito de inquietude e descontentamentos com o projeto de nação que tá posto em todas esferas dessa sociedade que iremos despidxs de todos os rótulos políticos partidarizados para ruas do Brasil. A Campanha Reaja ou será Mortx protagoniza numa conjuntura fadada ao fracasso o ato mais revolucionários e emancipatório ao longo desses década. E é imbuindo dessa responsabilidade que estaremos na sexta feira dia 22 ás 15h Marchando.

Nem um passo atrás! Reaja ou será Mortxs!
E viva o povo preto

Hamilton Borges Walê, estudante de Direito e ativista conhecido na Bahia e no Brasil, Walê tem sido alvo de inúmeras perseguições pelas denúncias da violência e de mortes de jovens negros – alguns dos quais seus amigos – pela Polícia baiana.

O ativista acrescenta que o 22 de agosto foi escolhido por causa de vários eventos relacionados à luta antirracista, não apenas no Brasil, mas em todo o mundo, entre os quais cita a morte de Jonatas Jackson, dos Black Panters (o Partido dos Panteras Negras, dos EUA), morto num 21 de agosto, “o martírio dos heróis da Revolta dos Búzios” (Movimento abolicionista e de independência do Brasil que eclodiu em 1.798, em Salvador, também chamada de Conjuração Baiana), e a primeira greve de escravos nos Estados Unidos que aconteceu no dia 22 de agosto de 1.843.

A Marcha nas ruas:

Confira a seguir, a entrevista concedida pelo ativista ao jornalista Dojival Vieira, da Afropress:

Afropress – Qual é o objetivo da Marcha?

Hamilton Borges Walê – Tomarmos nossa voz de volta, articular internacionalmente uma frente de luta contra o racismo, o neocolonialismo , contra o genocídio. Uma luta pan-africanista, sem partidos ou governos levando os negros e negras a agiram como povo dentro dos territórios coloniais que nos submete e mata.

Afropress – Quais os Estados que estarão na Marcha?

Walê – Temos comitês montados no Rio, S. Paulo, Manaus (Amazonas), Minas Gerais, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Espírito Santo, Brasília, Rio Grande do Sul, e Alagoas (Maceió). Há outros Estados que se incorporaram depois mas que também estarão na Marcha.

Afropress – Qual a repercussão internacional que a Marcha terá?

Walê – A Marcha já repercutiu em países da África, Europa e Estados Unidos. Em mais de 19 países da Europa, três da África, além dos Estados Unidos e também na América Latina.

Afropress – Qual a previsão de participação? Quantas pessoas são esperadas nos vários Estados?

Walê – Achamos que um milhão de pessoas tomam as ruas do Brasil, parando o país contra o genocídio. No mundo, na porta das embaixadas brasileiras, teremos grande participação, principalmente na Europa, com o grande trabalho feito pela FOJA, da Espanha, que coordena a luta por lá.

Afropress – Haverá a entrega de algum documento com reivindicações e ou demandas ao Governo brasileiro?

Walê – Essa Marcha não é reivindicativa. Ninguém está autorizado ou autorizada a falar com presidente, governador ou prefeito. Temos mais de 30 anos de reivindicação. Estamos dando um novo passo, de luta autônoma, sem nos rebaixarmos as agendas que não são nossas. A Marcha é para nos prepararmos para outros momentos de luta. Sem vendermos nossa dor e desgraça para os políticos de rapina que a cada dois anos negociam nossa miséria por cargos e puxadinhos como bem fala o próprio editor do Afropress.

Afropress – Por que razão foi escolhido o dia 22 de agosto?

Walê – Os “Agostos Negros”, os vários eventos que esse mês carrega. A morte de Jonatas Jackson, dos Black Panters, que morreu num 21 de agosto. No dia 22 de agosto de 1.843 também aconteceu a primeira greve de escravos nos Estados Unidos. O martírio dos heróis da Revolta dos Búzios, enfim vários acontecimentos importantes, e o grande Orixá Omulu que conduz os mortos, e os mortos são nossos guias. Nós os honramos com nossa luta.

Afropress – O que pode significar essa II Marcha para os negros brasileiros?

Walê – Essa Marcha é para nós negros e negras redefinirmos um outro conceito de Nação que inclua, mas que os brancos que dominam tudo e se beneficiam de nossas mortes. É sem partidos e sem Governos, com negros e negras fazendo por si. Uma Marcha Internacional que liga as lutas.

Fotos:
Espírito Santo

Este slideshow necessita de JavaScript.

Rio de Janeiro:

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.


Paraná

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

3 pensamentos sobre “50 mil foram às ruas do Brasil na II Marcha Nacional Contra o Genocídio do Povo Negro. Reaja ou será morta. Reaja ou será morto!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s