O Grupo Tortura Nunca Mais/RJ publica Nota de repúdio ao carrasco do Araguaia!


Nota de repúdio ao carrasco do Araguaia

Charge de Carlos Latuff que acompanha a nota no Facebook compartilhado por ele. Mamapress agradece

Charge de Carlos Latuff que acompanha a nota no Facebook compartilhado por ele. Mamapress agradece

O Grupo Tortura Nunca Mais/RJ repudia veementemente a provocação articulada por entidades militares de Minas Gerais, que pretendem homenagear o tenente-coronel Lício Augusto Ribeiro Maciel, envolvido no desaparecimento de militantes e camponeses na Guerrilha do Araguaia. Na ocasião o referido militar realizará uma palestra contra o movimento guerrilheiro.

Licio Maciel é réu confesso pelo desaparecimento de quatro guerrilheiros: André Grabois, João Gualberto Calatroni, Divino Ferreira de Sousa e Alfredo Campos Lima.Estes foram assassinados após uma emboscada na selva comandada pelo então major Lício. Além desses, a guerrilheira Maria Lúcia de Souza foi abatida pelo tenente-coronel e executada em seguida. Tais episódios são descritos no livro “O Coronel Rompe o Silêncio”, do jornalista Luiz Maklouff, em entrevista dada ao mesmo.

Em março de 2012, o Ministério Público Federal ofereceu denúncia contra Sebastião Curió, e logo em julho de 2012 contra Lício Maciel, sendo estas acatadas pela juíza federal Nair Pimenta de Castro. Concretizando um marco histórico pela realização de justiça no país.

Desta forma, o tenente-coronel responde ao processo criminal pelos crimes de:tortura, homicídio, desaparecimentos forçado e ocultamento de cadáveres. Por conta da referida ação, o militar nega-se a receber as intimações de comparecimento perante a Justiça de Marabá/PA

Vale ressaltar que o Estado brasileiro foi condenado pela Corte Interamericana de Direitos Humanos no caso Gomes Lund e outros v. Brasil em 2010, quando o Tribunal ordenou que o Brasil investigasse e processasse os responsáveis pelos crimes cometidos no Araguaia.

O Brasil comparado aos demais países da América Latina ainda não estabeleceu uma política coerente de direitos humanos. É o único país desta região, que nunca processou nenhum agente público em relação aos atos de tortura, de desaparecimentos e de assassinatos cometidos por militares e civis. Nessa área, as ações governamentais se mostram muito tímidas.

É necessário que o Estado brasileiro adote medidas urgentes para que os agentes públicos envolvidos em crimes contra a humanidade sejam investigados e responsabilizados por seus atos bárbaros.

Portanto, não podemos simplesmente aceitar ações como essas e exigimos imediatamente: uma Comissão da Verdade, Memória e Justiça; o cumprimento da Sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos sobre o Araguaia; que todos os arquivos da ditadura sejam abertos e publicizados; que o período de terrorismo de Estado (1964-1985) seja efetivamente investigado, esclarecido e tornado público e assim, nossa história recente possa ser conhecida por todos.

DIRETORIA

Rio de Janeiro, 21 de outubro de 2013.

PELA VIDA, PELA PAZ
TORTURA NUNCA MAIS!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s